Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    20/09/2018

    Bolsonaro é 'ameaça' para Brasil e América Latina, diz The Economist

    A revista internacional traça um perfil do candidato que diz 'flertar com a ditadura' e o descreve como 'populista de direita'

    A publicação compara o risco de Bolsonaro ser eleito ao governo de Pinochet, no Chile(foto: Reprodução)
    Primeiro colocado nas pesquisas eleitorais para presidente da República, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) conseguiu emplacar uma reportagem de capa na The Economist, uma das publicações mais respeitadas pelo mercado financeiro no mundo. Só que ele é apontado nela como a “mais recente ameaça para a América Latina” e um possível presidente “desastroso” para o Brasil.

    O texto fala sobre a necessidade de reformas vivida pelo país e faz uma análise da ascensão de Bolsonaro como presidenciável. Para The Economist, que já falou dele em outras reportagens, o candidato se tornou opção em um cenário em que as finanças estão sob pressão e a política está “podre”. 

    A publicação descreve Bolsonaro como um “populista de direita” que pode piorar ainda mais as coisas. “Promete a salvação. Na verdade, ele é uma ameaça para o Brasil e para a América Latina”, diz. 

    Clube de Trump

    Segundo a revista, Bolsonaro seria um novo membro de um clube de populistas que tem o presidente Donald Trump, nos Estados Unidos, Rodrigo Duterte, nas Filipinas, e Matteo Salvini, na Itália. 

    A análise aponta que Bolsonaro se aproveitou de um ambiente de desastre econômico e com vários escândalos de corrupção, terreno fértil para o surgimento de novos “messias”, que aliás, é o nome do meio do deputado. 

    Polêmicas

    A publicação lembra o estilo verborrágico e polêmico do parlamentar, citando momentos como a fala dele sobre a deputada Maria do Rosário, que para ele ‘não merece ser estuprada por ser feia’ e de que ele preferia um filho morto a um filho gay. O caso da ofensa aos negros, chamados de “gordos e preguiçosos” também é lembrado. 

    Cristão, evangélico e capitão do Exército, Bolsonaro se apresenta como opção, ao misturar conservadorismo social e liberalismo econômico. 

    Governos autoritários

    A revista segue dizendo que Bolsonaro flerta com a ditadura e tem um vice general. O perfil lembra o voto dele no impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), quando ele dedicou o coto ao torturador Brilhante Ustra. 

    A publicação diz que a América Latina já experimentou governos autoritários, misturando uma economia liberal, com Augusto Pinochet no Chile, e cita as dificuldades na Venezuela e Nicarágua. 

    The Economist conclui o artigo dizendo que os brasileiros precisam entender que restaurar a democracia e fazer as reformas necessárias não será tarefa fácil ou rápida e tomar cuidado para não cair em promessas de um “político perigoso”.

    Fonte: O Estado de Minas
    Por: Juliana Cipriani


    Imprimir