Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    09/08/2018

    Bolsa emenda 4º dia de queda com tensões externas e dólar a R$ 3,80

    O Dow Jones, principal índice de Nova York, fechou em queda de 0,29%, mas alguns mercados europeus subiram, como na Alemanha (+0,34%)

    ©DR
    O dólar subiu quase 1% ante o real nesta quinta-feira (9), seguindo o fortalecimento da moeda americana no exterior em meio a tensões comerciais, mas em movimento reforçado pela cautela interna com as perspectivas políticas e fiscais do Brasil. O dólar fechou em alta de 0,98%, a R$ 3,8040. No dia, chegou a bater R$ 3,8210.

    Lá fora, a moeda americana avançou sobre 24 das 31 principais divisas do mundo. O receio de investidores com a disputa tarifária entre americanos e chineses foi acentuado pela decisão dos Estados Unidos de impor novas sanções à Rússia.

    "O principal fator foi externo. O dólar se aprecia em relação à maioria das moedas e, principalmente, as emergentes, contagiadas pelas sanções à Rússia", observa Carlos Pedroso, economista sênior do Banco MUFG Brasil.

    O comportamento das Bolsas no exterior foi misto. O Dow Jones, principal índice de Nova York, fechou em queda de 0,29%, mas alguns mercados europeus subiram, como na Alemanha (+0,34%).

    Enquanto isso, a Bolsa brasileira emendou o quarto dia seguido de queda. O Ibovespa, índice que reúne as ações mais negociadas, ameaçou avançar na abertura do pregão, mas fechou com perda de 0,48%, a 78.767 pontos, segundo dados preliminares. O giro financeiro foi de cerca de R$ 10,211 bilhões.

    Internamente, o mercado não reagiu bem à proposta dos ministros do STF (Supremo Tribunal Federal) de reajustar seus salários em 16,38%, o que geraria um impacto de cerca de R$ 4 bilhões nas contas da União e dos estados, segundo cálculo do Congresso.

    A medida ainda precisa passar pelo Congresso e ser sancionada pelo presidente, mas o temor é que gere um efeito cascata em todo o Judiciário.

    "Essa preocupação fiscal acaba pesando um pouco, já que o efeito cascata do aumento do salário no STF pode gerar maiores dificuldades para o cumprimento da meta fiscal primária no ano que vem", diz Pedroso.

    Investidores aguardam também a realização do primeiro debate eleitoral entre presidenciáveis, que está previsto para as 22h desta quinta na Band.

    Questões eleitorais, com publicação de resultado de pesquisa de intenção de voto e rumores envolvendo candidato em delação, pesaram no mercado brasileiro ao longo desta semana.

    A campanha eleitoral começa no próximo dia 16 e os programas eleitorais na televisão e rádio, no final do mês. Para a sexta-feira (9), é esperada pesquisa sobre intenções de votos encomendada pela XP Investimentos. 

    NAOM-Com informações da Folhapress.


    Imprimir