Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    26/06/2018

    Avião interceptado pela FAB é retirado de lagoa no Pantanal e PF encontra dentro mais 60 kg de cocaína

    O avião foi interceptado no dia 25 de abril; Tinha saído da Bolívia, não tinha plano de voo e estava com matrícula falsa; já haviam sido retirados mais de 500 quilos de cocaína da aeronave.

    Avião interceptado em abril pela FAB em MS e que foi retirado nesta segunda-feira (25) da Lagoa Uberaba, na fronteira do Brasil com a Bolívia ©PF/Divulgação
    O avião interceptado em abril pela Força Aérea Brasileira (FAB) por suspeita de tráfico e que fez um pouso forçado na Lagoa Uberaba, em Corumbá, na fronteira entre o Brasil e a Bolívia, foi retirado nesta segunda-feira (25) do local, por equipes da Polícia Federal com apoio do Exército e da FAB.

    Dentro da aeronave, de onde já haviam sido retirados mais de 500 quilos de cocaína, foram encontrados outros 60 quilos do entorpecente.
    Os 60 quilos de cocaína encontrados dentro do avião interceptado pela FAB em MS e que foi retirado nesta segunda-feira (25) da Lagoa Uberaba, na fronteira entre o Brasil e a Bolívia ©PF/Divulgação
    Segundo a Polícia Federal, a aeronave seguirá em em embarcação do Exército para Corumbá, onde passará por perícia. O piloto não foi localizado.

    A interceptação

    O avião foi interceptado no dia 25 de abril. A aeronave tinha saído da Bolívia, não tinha plano de voo e estava com matrícula falsa. O piloto não obedeceu aos pedidos da FAB, que estava com três aeronaves A-29 e um radar E-99.

    Como o piloto não obedeceu a nenhuma das ordens, os militares deram um tiro de aviso. Ainda sem resposta, efetuaram então um tiro de detenção, que tem objetivo de atingir o alvo. Em nota, a FAB informou que é a 2ª vez que precisa tomar esta medida, mas não esclareceu se o tiro atingiu o bimotor.

    Só depois disso é que o piloto do avião suspeito fez o pouso forçado na lagoa.
    Local em que estava a aeronave interceptada pela FAB por suspeita de tráfico em MS ©FAB/Divulgação

    Por Anderson Viegas, G1 MS


    Imprimir