Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    10/05/2018

    Justiça autoriza contato entre os irmãos Joesley e Wesley Batista

    Decisão do STF proibia contato entre Wesley e o irmão, que está preso. 'Foram criados juntos desde a infância', diz a decisão do juiz.

    ©Divulgação/Arquivo
    A Justiça Federal de São Paulo revogou uma medida cautelar que proibia que os empresários Wesley e Joesley Batista, donos da J&F, de manter contato um com o outro.

    No dia 28 de fevereiro, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) substituiu a prisão preventiva dos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos do grupo J&F, por medidas cautelares. Na prática, Wesley deixou a prisão, mas Joesley seguiu preso por ter um segundo mandado de prisão contra ele.

    Entre as medidas cautelares determinadas estava a proibição a Wesley de se aproximar ou ter contato com outros réus e testemunhas, como é o caso de Joesley.

    Em sua decisão, o juiz Diego Paes Moreira, da 6ª Vara Federal Criminal de São Paulo, afirma que os réus são irmãos, "criados juntos desde a infância", o que indicaria que um não desejaria prejudicar o outro.

    "Nesse caso, a medida cautelar de proibição de contato entre os corréus seria adequada se houvesse algum fato que indicasse a possibilidade de um irmão tentar prejudicar o outro. Não há notícia nos autos de qualquer conduta por parte de um dos irmãos que aparente causar prejuízo ao outro irmão", disse.

    Em nota, os advogados autores do requerimento, Pierpaolo Cruz Bottini e Ana Fernanda Áurea, dizem que a decisão é justa. "Não há qualquer indício de que a reunião familiar afete o andamento do processo e a aplicação da lei", afirmam no comunicado.

    O juiz decidiu ainda que Wesley terá de cumprir as demais medidas cautelares impostas nos autos:
    • Terá de comparecer em juízo e manter endereço atualizado;
    • Ficará proibido de ocupar cargo no conjunto de empresas envolvidas no c
    • Ficará proibido de deixar o Brasil sem autorização;
    • Será submetido a monitoração eletrônica

    Por G1 SP, São Paulo
    Imprimir