Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    19/03/2018

    Servidores de MS participam de capacitação em Conciliação e Mediação

    © Divulgação
    Com abertura realizada pelo juiz Paulo Afonso de Oliveira, titular da 2ª Vara Cível de Competência Residual e diretor da Central de Processamento Eletrônico, teve início na manhã desta segunda-feira (19), no Fórum de Campo Grande, o curso de Técnicas Autocompositivas voltadas para a Conciliação.

    A capacitação é realizada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, por meio da Ejud-MS, sob a coordenação-geral do desembargador Júlio Roberto Siqueira Cardoso e por intermédio do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec). O curso é uma das medidas adotadas pelo TJMS que visa a capacitação e atualização dos servidores do Poder Judiciário em relação à Política Judiciária Nacional de tratamento dos conflitos de interesses, prevista na Resolução nº 125 do CNJ e no artigo 154 do Código de Processo Civil.

    O curso segue as orientações e os moldes do CNJ com objetivo de assegurar a todos o direito à solução dos conflitos por meios adequados à sua natureza e peculiaridade, bem como oferecer outros mecanismos de soluções de controvérsias, como também prestar um atendimento mais célere e com maior riqueza orientação ao cidadão.

    No início dos trabalhos, Andreia Bobadilha, assessora técnica especializada da Nupemec e também instrutora da qualificação, disse que a conciliação é o futuro e tendência do Judiciário nacional, isso porque por meio da mediação é possível diminuir o número de ações ajuizadas, e por conta disso o Judiciário ganha mais rapidez e agilidade.

    O treinamento segue até o dia 21 de março e conta com a participação dos servidores Christhiane Aparecida Tebaldi Fontoura e Edson Caires Simões como parte da equipe de instrutores. Ao todo, serão 12 horas de qualificação voltadas à apresentação de técnicas na resolução de conflitos por meios alternativos de diálogo e consenso para 34 servidores do Poder Judiciário.

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS