Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    29/03/2018

    Planalto vê cerco político e teme investigações amplas contra Temer

    PF prendeu nesta manhã (29) aliados próximos do presidente: o advogado José Yunes, o ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi (MDB-SP) e o coronel João Baptista Lima Filho

    © Divulgação
    O Palácio do Planalto avalia que a operação da Polícia Federal desta quinta-feira (26), que prendeu amigos e assessores de longa data do presidente, representa a escalada do cerco político que asfixia o governo e uma ampliação das investigações contra Michel Temer.

    Nas primeiras horas da manhã, a PF prendeu o ex-assessor e amigo há mais de 50 anos de Temer, o advogado José Yunes, além do ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi (MDB-SP) e do coronel João Baptista Lima Filho, muito próximo ao presidente.

    Apesar das notícias, Temer decidiu manter em sua agenda uma viagem a Vitória (ES) para a inauguração do novo aeroporto da cidade. A previsão é de que ele retorne a Brasília no início da tarde e se reúna com assessores para definir se é possível traçar uma nova estratégia política e jurídica diante dos acontecimentos.

    O empresário Antônio Celso Grecco, dono da Rodrimar, empresa que atua no Porto de Santos e é investigada por supostos benefícios concedidos pelo governo Temer, também foi detido nesta quinta.

    As prisões foram autorizadas pelo ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal), relator do inquérito que investiga o presidente por suposto recebimento de propina em troca de benefícios ao setor portuário.

    PRIMEIRA REAÇÃO

    A primeira reação dos auxiliares de Temer foi classificar a operação de "absurda" e analisá-la como uma forma de criar obstáculos para a possível campanha à reeleição do presidente.

    Nos últimos dois meses, ele tem demonstrado disposição de disputar as eleições de outubro, porém, pontua com apenas 1% das intenções de voto, segundo o Datafolha.

    Em um segundo momento, conforme as confirmações dos nomes dos detidos chegavam ao Planalto, ministros e assessores avaliaram que as investigações podem ultrapassar o âmbito do decreto dos Portos, editado no ano passado pelo governo, e alvo das apurações.

    Yunes é citado no inquérito sobre o decreto que investiga Temer, assim como o ex-deputado e ex-assessor presidencial Rodrigo Rocha Loures (MDB-PR) e um sócio e um diretor da empresa Rodrimar.

    O coronel João Baptista Lima Filho também está citado, mas Wagner Rossi, por exemplo, aparecia somente na primeira investigação sobre o caso.

    O inquérito apura se Temer praticou os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Editado em maio do ano passado, o decreto suspeito ampliou de 25 para 35 anos os prazos dos contratos de concessão e arrendamento de empresas que atuam em portos e permitiu que eles possam ser prorrogados até o limite de 70 anos. 

    Fonte: NAOM - Com informações da Folhapress.


    Imprimir