Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    21/03/2018

    Governo aumenta repasse para assistência social em 30% nos últimos 4 anos

    Reinaldo Azambuja ressaltou que a receita cresceu apenas 2%, mas mesmo assim ampliou o investimento

    Governador durante evento realizado nesta manhã (Foto: Marina Pacheco)
    O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), assinou repasse de R$ 16 milhões do Feas (Fundo Estadual de Assistência Social) aos 79 municípios do Estado. O recurso destinado a atender pessoas em situação vulnerável será dividido em 12 parcelas e repassado mensalmente. A solenidade ocorreu às 9h desta quarta-feira (20), no auditório da Governadoria, no Parque dos Poderes.

    Segundo Azambuja, a assistência social foi uma das prioridades em seu governo e nos 4 anos aumentou o repasse em 30%. Ele ressaltou que a receita cresceu apenas 2%, mas mesmo assim ampliou o investimento. “Essa é uma luta antiga minha, desde quando era prefeito de Maracaju, pois naquela época os recursos eram realizados por convênios e nem todas as cidades recebiam”, disse.

    Além do repasse, o governador anunciou que serão comprados pelo Estado 100 mil cobertores para distribuir na Capital e no interior. Em nome dos vários prefeitos presentes no evento, o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Pedro Caravina (PSDB) de Batagassu, lembrou que em tempos de crise financeira, as pessoas batem mais na porta da assistência social. “Além do aumento no repasse, foi importante a mudança no modelo. Agora, todos os municípios são atendidos”, comemorou.

    Conforme a chefe da Sedhast (Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho), Elisa Cleia Nobre, existem critérios que definem o valor repassados a cada município. Entre os critérios, estão as cidades que contam com mais centro de assistência social. “A assistência não pode ser sucateada. Precisa ser fortalecida em todo o Brasil para atender quem precisa”, ressaltou.

    Fonte: campograndenews
    Por: Viviane Oliveira e Leonardo Rocha


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS