Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    14/03/2018

    Deputado João Grandão lança Frente Parlamentar em Defesa da Segurança Alimentar

    © Divulgação
    Foi lançada nesta quarta-feira (14) a Frente Parlamentar Estadual em defesa da Segurança Alimentar e Nutricional com a participação de 11 parlamentares da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. O deputado João Grandão destacou que o grupo deverá atuar com o enfrentamento da fome e da pobreza no Estado e, ao mesmo tempo, fortalecer a agricultura familiar.

    Entre as propostas prioritárias para a frente, está o fortalecimento da distribuição de alimentos de qualidade, livres de agrotóxicos acessíveis à população, como forma de pôr fim a desnutrição das crianças indígenas, além do acompanhamento nutricional nas escolas públicas. E também a da defesa de aquisição de alimentos da Agricultura Familiar e pequenos empreendimentos. 

    Para o deputado João Grandão, a Frente representa o compromisso de estabelecer leis, decretos e prioritariamente o fortalecimento da Segurança Alimentar e Nutricional para sua população. “Essa Frente não tem outra função além de propor ações objetivas que garantam o direito humano a uma alimentação adequada para os sul-mato-grossenses”, destacou.

    De acordo com o documento apresentado para a criação da Frente, em conjunto com o Consea (Conselho de Segurança Alimentar) e Caisan (Câmara Intersetorial de Segurança Alimentar e Nutricional de Mato Grosso do Sul), a “Segurança Alimentar e Nutricional (SAN) é a realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, tendo como base práticas alimentares promotoras de saúde que respeitem a diversidade cultural e que sejam socialmente, economicamente e ambientalmente sustentáveis”. 

    O parlamentar aproveitou para citar sua participação durante a criação do PAA (Programa de Aquisição de Alimentos), em 2003, enquanto deputado federal. De acordo com o projeto, parte dos alimentos é adquirida pelo governo diretamente dos agricultores familiares, assentados da reforma agrária, comunidades indígenas e demais povos e comunidades tradicionais, para a formação de estoques estratégicos e distribuição à população em maior vulnerabilidade social. 

    O evento reuniu coordenação dos cursos de Nutrição da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), UCDB (Universidade Católica de Mato Grosso do Sul), lideranças comunitárias da Capital, representantes da Marcha Mundial de Mulheres, ACPD (Associação Campo-grandense de Pessoa com Deficiência), governo estadual, Prefeitura de Campo Grande e estudantes.

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir