Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    02/02/2018

    Ranking mostra os melhores e os piores parlamentares de MS em Brasília


    O senador Waldemir Moka (MDB) e a deputada federal Tereza Cristina (DEM) são os melhores parlamentares de Mato Grosso do Sul em Brasília, aponta estudo elaborado pela Organização Não Governamental Ranking dos Políticos. Os deputados federais Vander Loubet (PT), Zeca do PT e Dagoberto Nogueira (PDT) são os piores do Estado, de acordo com o ranking. 

    Enquanto Tereza Cristina recebe 375 pontos e Mandetta (DEM), 313, os petistas e o pedetista têm pontuações negativas. Entre os senadores, Moka acumula 381 pontos e lidera com folga em relação a Pedro Chaves (PSC) e Simone Tebet (MDB), com 296 e 274 pontos, respectivamente. 

    Para se chegar a essa pontuação, o site Ranking dos Políticos adota os seguintes critérios: presença nas sessões, privilégios, processos judiciais, filiação partidária e qualidade legislativa. O parlamentar que trocou de partido ao menos três vezes, por exemplo, perde 10 pontos. 

    Dos 11 parlamentares sul-mato-grossenses, apenas Moka, Tereza Cristina, Pedro Chaves, Elizeu Dionísio (PSDB) e Fábio Trad (PSD) não respondem a ações na Justiça. Vander, por exemplo, perde 140 pontos apenas no quesito processos judiciais, seguido de Zeca, com menos 80 pontos, Dagoberto, 60, e Geraldo Resende, 50 pontos negativos. 

    Em 2017, a liderança entre os senadores foi de Moka, com 117 pontos, seguido de Pedro Chaves, com 113 pontos, e Simone, 70 pontos. Um ano antes, em 2016, Moka também foi o primeiro colocado e o segundo melhor senador do país, na avaliação da ONG Ranking dos Políticos. 

    Entre os deputados, em 2017, Tereza Cristina obteve 156 pontos, seguida de Elizeu, com 121 pontos, e Geraldo, com 79 pontos. A pontuação de senador e deputado não pode ser comparada porque alguns itens, como qualidade legislativa, se diferenciam de uma Casa legislativa para outra. 

    Para 2018, cada parlamentar larga com 35 pontos. Moka, de novo, é o único que recebeu pontuação máxima ao lado de Fábio Trad, que assumiu a vaga de Carlos Marun (MDB) em dezembro de 2017. Os demais iniciam o ano com pontuação que varia de 25 a quatro pontos. A essa contagem, ao longo do ano, vão se somar ou retirar pontos sobre os critérios adotados. 

    Moka, destaque positivo 

    O senador Moka é o único entre os parlamentares sul-mato-grossenses que tem pontuação positiva em todos os critérios, no acumulado dos últimos três anos. No geral, o emedebista é o terceiro melhor entre os 81 senadores. Já Tereza Cristina é a 52ª entre os 513 deputados. 

    Desde que assumiu a vaga de senador em 2011, Moka tem sido o destaque da bancada federal. Em 2011, foi considerado o terceiro melhor senador do país, conforme estudo elaborado pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro e divulgado pela revista VEJA. Nos anos seguintes, o senador manteve o desempenho, sempre entre os dez primeiros. 

    O emedebista, que busca a reeleição, também é apontado como um dos “100 Cabeças do Congresso Nacional”, na companhia da senadora Simone Tebet e do atual ministro Marun, de acordo com levantamento realizado pelo Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP). 

    O ranking 

    O site Ranking dos Políticos é uma Organização Não Governamental (ONG) que compara a atuação dos políticos de todo o Brasil. Classifica senadores e deputados federais do melhor para o pior. 

    “Sabemos que existe uma enorme quantidade de corruptos e incompetentes na política brasileira. No entanto, se votarmos em massa nos melhores ou menos piores, incentivaremos uma melhoria no panorama político do Brasil”, explica Renato Dias, diretor executivo do Ranking dos Políticos. 

    O diretor afirma que as análises de cada parlamentar são realizadas por profissionais de várias áreas. Entre eles, o economista Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central no governo de Fernando Henrique Cardoso e um dos mentores do Plano Real. 

    “Nossa meta é oferecer informação para ajudar de forma objetiva as pessoas a votarem melhor, levando em consideração principalmente o combate à corrupção, privilégios e desperdício da máquina pública”, completa Dias, deixando claro que os fundadores da entidade não são filiados nem ligados a partido político ou grupo de interesse. 

    Confira os demais rankings:



    Fonte: DouradosNews


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS