Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    31/01/2018

    DOURADOS| Délia assina contrato para 200 casas no Estrela Guaçu

    Investimento de R$ 27 milhões permitirá infraestrutura total do bairro que vai abrigar famílias em extrema vulnerabilidade.

    © Divulgação
    Dentro das ações de recuperação do município de Dourados, 2018 segue com boas notícias para a população da maior cidade do interior de Mato Grosso do Sul. Na tarde de terça-feira (30), a prefeita Délia Razuk esteve em Campo Grande e assinou contrato com o Governo do Estado e a Caixa Econômica Federal a fim de viabilizar a construção de 200 unidades habitacionais do residencial Estrela Guaçu, na região do Jardim Clímax.

    Serão R$ 27,3 milhões investidos na construção das casas e na infraestrutura da região, que vai receber drenagem, pavimentação e urbanização de primeira qualidade. “Depois de um ano de muita arrumação, estamos anunciando mais uma conquista para os douradenses neste ano, que será de recuperação da nossa cidade. Com muito trabalho de gestão, conseguimos junto ao Governo do Estado a retomada deste projeto e agora assinamos este contrato para que o investimento seja consolidado”, disse a prefeita.

    O contrato foi assinado com o governador Reinaldo Azambuja e o superintendente da Caixa em Mato Grosso do Sul, Evandro Narciso de Lima. O objetivo é atender famílias em situação de extrema vulnerabilidade em Dourados. Do total dos investimentos, R$ 20,5 milhões são garantidos pela União, R$ 4,2 milhões pelo Estado e R$ 1,6 milhão pelo município.
    © Divulgação
    “Agradeço ao empenho do governador Reinaldo Azambuja, da bancada federal, junto ao ministro Marun, e da gestão entre a Agehab de Dourados com a Agência Estadual de Habitação, através da Maria do Carmo. Todos foram fundamentais para conseguir a liberação desses recursos e para viabilizar os projetos em tempo recorde solicitado pela Caixa. A construção dessas moradias representa o sonho dos douradenses beneficiados pelo projeto”, disse a prefeita.
    © Divulgação
    Ao comentar a liberação dos recursos, Reinaldo Azambuja elogiou as equipes das respectivas agências de Habitação, municipal e do Estado, além de outras secretarias da Prefeitura de Dourados, como a de Obras Públicas, importantes na agilidade do projeto. “Quando apresentei o projeto em Brasília, os técnicos não acreditavam que poderíamos concluir dentro do prazo e isso foi feito pelas equipes e em tempo recorde, conseguimos viabilizar os recursos e assinar o contrato”, destacou o governador.

    A diretora-presidente da Agehab, Maria do Carmo Avesani também destacou a atuação pessoal envolvido para a liberação dos recursos. O superintendente da Caixa, Evandro de Lima, ressaltou que este foi o primeiro contrato assinado no ano novo e que em 2017 foram destravadas várias obras.

    O projeto, originário do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC I), foi migrado para o Fundo de Arrendamento Residencial (FAR). Esta gestão junto ao Ministério das Cidades é que foi intensa e contou com visita da prefeita à Brasília, além do esforço em garantir a contrapartida do município, de intercessão da bancada federal, através do deputado federal Carlos Marun, hoje licenciado para ministro, e da atuação do Governo do Estado com a aplicação de mais recursos.

    O diretor-presidente da Agência Municipal de Habitação, Sergio Henrique Pereira Martins de Araújo, destacou que estas casas serão entregues via Faixa 1 do programa Minha Casa Minha Vida, e representam o alcance do objetivo da prefeita Délia Razuk, de levar a moradia popular para quem realmente precisa. “A retomada deste projeto é uma conquista sem igual para a comunidade que realmente precisa”, disse.

    As casas são de alvenaria, com aquecimento solar e telha de concreto, em alto padrão de qualidade, segundo a Secretaria de Obras, que agilizou a confecção dos projetos, inclusive no período de recesso de fim de ano.

    Além da doação do terreno, a Prefeitura de Dourados arca com a terraplanagem do terreno, doado pelo município, parte da drenagem que ocorrerá na região e a patamarização dos terrenos.

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir