Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    07/12/2017

    Planalto adia definição de data para votação da reforma da Previdência

    Governo não tem votos necessários. É preciso ter 308 votos para aprovar Maia, DEM e PSDB cobram o governo.

    Michel Temer recebeu líderes governistas e presidentes de partidos aliados e ouviu sugestões cautelosas sobre reforma da Previdência © Sérgio Lima/Poder360 - 6.dez.2017
    O Planalto adiou mais uma vez a decisão sobre marcar ou não para 2017 a votação da reforma da Previdência na Câmara dos Deputados.

    O presidente Michel Temer recebeu no Palácio da Alvorada na noite desta 4ª feira (6.dez) líderes governistas e presidentes de partidos aliados ao Planalto.

    O objetivo da reunião era que os representantes dos partidos apresentassem 1 panorama dos votos de cada bancada.

    Ao menos 2 dirigentes apresentaram a Temer uma posição cautelosa. O presidente do PP, senador Ciro Nogueira (PI), disse que seria “complicado” votar a proposta ainda em 2017 na Câmara.

    Chefe do PSD, o ministro Gilberto Kassab (Comunicações) disse que, apesar da bancada da sua legenda “ter avançado muito”, ainda seria arriscado colocar a reforma em votação. Sugeriu: “só colocar [em pauta para votação] quando o governo tiver certeza [de ter os votos necessários para aprovação]”.

    Segundo relatos de presentes no encontro, Michel Temer fez 1 apelo aos aliados. “Com franqueza, se não tivermos como votar agora, não podemos ter a ilusão de votar em março por causa do calor das eleições”, disse, de acordo com os relatos.

    O presidente também insistiu, em 1 outro momento, sobre qual seria a percepção que a Câmara passaria se deixasse de aprovar a reforma previdenciária. “Se não votar, vai ser visto como uma tentativa de manter os privilégios. Haverá 1 discurso muito uniforme para dizer por que não votou”, declarou.

    O senador e líder do governo, Romero Jucá (PMDB-RR), disse que “se não votar neste ano na Câmara, a chance de a Câmara votar é zero”. O presidente do PMDB declarou que “a grande prova deste governo é a reforma da Previdência” e que seu partido punirá aqueles deputados que não seguirem a orientação da legenda de votar a favor da proposta.

    CENTRÃO: PARTE DOS VOTOS

    O PP foi o partido que apresentou os melhores números a Temer. Segundo o líder da bancada, deputado Arthur Lira (AL), são 33 deputados que já se manifestaram a favor e apenas 4 contrários. Outros 9 ainda estão incertos sobre a possibilidade de votarem com o governo.

    O líder do PR, deputado José Rocha (BA), afirmou que há dificuldades em sua bancada, mas que o cenário tem melhorado. Declarou que Valdemar Costa Neto, cacique da legenda, tem atuado junto à bancada para tentar convencer os deputados a apoiar o governo. Hoje, são 20 deputados do PR a favor do texto do governo. A meta é chegar a 25.

    Outro partido do Centrão, o PRB mostrou descontentamento com a proposta levantada em 1 jantar no domingo (3.dez) de 1 “pacto” para que os partidos não abrigassem deputados infiéis ao posicionamento pró-governo. O ministro Marcos Pereira (Indústria, Comércio Exterior e Serviços) disse, em uma reunião da bancada, que seus correligionários questionaram se isso seria de fato aplicado e se os governistas cumpririam o acordo.

    MAIA, DEM E PSDB COBRAM GOVERNO

    Representado pelo presidente interino da sigla, Alberto Goldman, o PSDB levou a Michel Temer a garantia de só cerca de metade dos votos. Segundo o tucano, o número já é maior do que era há alguns dias. São 24 deputados favoráveis de 1 total de 46. Mas Goldman insistiu: “Não dá para colocar em votação sem os votos necessários”.

    O presidente do DEM, senador José Agripino (RN), afirmou que o partido não deverá orientar seus deputados a tomar 1 posicionamento a favor da reforma. Disse que o momento é de “franqueza, sinceridade e convencimento”. O líder do partido na Câmara, deputado Efraim Filho (PB), reclamou de demandas não cumpridas pelos ministros e disse que isso descontenta alguns deputados. “Não se pode culpar parlamentares pela Previdência quando eles já votaram a favor do governo no teto de gastos, na reforma trabalhista, nas denúncias”, disse.

    O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, do mesmo partido de Agripino e Efraim, se mostrou receoso. Questionou: “Por que estamos distantes dos 308 votos? Embora o discurso todo é como se estivesse a favor”. O deputado questionou os recentes resultados do governo em votações de medidas provisórias na Casa. “Na Câmara, estão preocupados por que o governo não tem tido ampla maioria de votos. Pergunta-se por que na Previdência vai melhorar isso?”.

    Fonte: Poder360


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS