Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    07/12/2017

    Para vereador Orçamento aprovado é realista e proporciona ao Executivo uma gestão eficiente

    © Divulgação
    Durante a sessão ordinária desta quinta-feira (7), da Câmara Municipal de Campo Grande, foi aprovado por unanimidade o projeto n. 8.711/17, da Lei Orçamentária Anual (LOA) para o exercício 2018, de autoria do Poder Executivo, com 101 emendas incorporadas pelos parlamentares. O vereador Carlos Augusto Borges (Carlão PSB), 1º secretário da Mesa Diretora, parabenizou o trabalho do relator da LOA, vereador Eduardo Romero, da Comissão Permanente de Finanças e Orçamento e toda Casa por votar um Orçamento realista, possível e que proporciona ao prefeito Marquinhos Trad uma gestão eficiente.

    “Quero parabenizar o trabalho de todos os pares, porque estamos votando um orçamento realista, sem ilusões, entregando nas mãos do prefeito um orçamento que dá condições para que faça uma gestão contundente ao longo de 2018. As emendas aperfeiçoam a peça orçamentária e dá direções quanto ao clamor popular. A Câmara está cumprindo seu papel fundamental de legislar em favor da população campo-grandense”, destacou Carlão proferir seu voto.

    Conforme explicou o relator, ao todo foram apresentadas pelos vereadores 310 emendas, e após análise técnica das emendas, foram incorporadas no texto do Projeto 101 emendas que estão compatíveis com a realidade financeira do município para 2018. As outras 209 emendas seguem anexadas ao Projeto da LOA como sugestões para serem seguidas pela Prefeitura no exercício financeiro de Campo Grande.

    O setor de urbanismo foi o que mais teve emendas apresentadas pelos vereadores à proposta da Lei Orçamentária, com um total de 117 emendas dos vereadores para esta área. Ao todo foram 286 emendas dividas entre 14 áreas.

    O Projeto de Lei n. 8.711/17 foi aprovado pelos parlamentares em segunda discussão e votação, e segue agora para sanção do prefeito.

    Fonte: ASSECOM
    Por: Janaina Gaspar


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS