Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 8 de novembro de 2017

    Lei: Guavira passa a ser o fruto símbolo de MS

    Para Renato Câmara, a lei vai garantir a proteção da planta e abre possibilidade de geração de renda, principalmente na agricultura familiar © Toninho Souza
    A guavira (Campomanesia spp.), espécie frutífera nativa do Cerrado, com o sabor e aroma que agrada ao paladar dos brasileiros, passa a ser o fruto símbolo de Mato Grosso do Sul. Entrou em vigor nesta quarta-feira (8/11), a Lei 5.082, de autoria do deputado Renato Câmara (PMDB), que autoriza a inclusão do símbolo em todas as divulgações turísticas do Estado.

    Podendo ser consumida na forma in natura ou processada na forma de suco, doces e licor, a guavira possui grande quantidade de vitamina C, fenóis totais e atividade antioxidante. “Depois da estiagem, começa a chuva e as frutas aparecem nos guavirais nativos. Por isso, são resistentes. O fruto verde e amarelo representa a cor do nosso país e, agora, se torna símbolo de Mato Grosso do Sul”, destacou o deputado.

    Com a diminuição dos guavirais nos últimos anos em decorrência da expansão da pecuária, das lavouras e do crescimento populacional, especialistas acreditam que a melhor maneira de conservar a guavira é viabilizar o seu cultivo do ponto de vista econômico, para consumo próprio e para comercialização.

    Renato Câmara acredita que a lei pode ser um pontapé inicial para impulsionar a cultura da guavira, promovendo a diversificação da matriz econômica e gerando emprego e renda para diversos municípios do Estado. “A guavira tem um grande potencial para gerar renda a ajudar a desenvolver o turismo. O passo agora é desenvolver a sua cadeia produtiva”, destacou o deputado ao comentar a aprovação da lei na Assembleia Legislativa.

    Para o deputado, a lei vai garantir a proteção da planta e abre possibilidade de geração de renda, principalmente na agricultura familiar, gerando a diversificação da renda e do gênero, uma vez que é uma atividade que pode ser desenvolvida na família pela mulher, tanto na coleta dos frutos quanto no seu processamento para a obtenção dos subprodutos.

    Em Bonito, por exemplo, a fruta já é utilizada na composição de pratos tradicionais, sorvetes, picolés, drinques e os mais antigos até utilizam a guavira para fins medicinais. Tamanha sua importância e tradição, a guavira já conquistou o privilégio de ter um festival em sua homenagem. Geralmente realizado em novembro, época de colheita da fruta, o Festival da Guavira de Bonito é uma mistura de cultura e gastronomia. Além da variedade de pratos feitos com base na fruta, o festival ainda agrega música tradicional e exposição do artesanato local. Segundo dados da Agraer, 60% dos produtores da região de Bonito preserva um capão (porção de área) de guavira na propriedade.

    Conforme Renato Câmara, com a lei, será possível estimular o desenvolvimento dos guavirais em diversos municípios do Estado, fortalecendo o nome da fruta e possibilitando a realização de festivais gastronômicos com o tema, gerando ocupação e renda e valorizando a cultura sul-mato-grossense.

    EXPOIVI

    Ainda foi sancionada e publicada no Diário Oficial a Lei 5.081, também de autoria de Renato Câmara, que inclui no calendário Oficial de Eventos do Estado a Exposição Agropecuária, Comercial, Industrial e da Agricultura Familiar de Ivinhema (Expoivi), realizada, anualmente, nos dias 9, 10 e 11 de novembro.

    Fonte: ASSECOM
    Por: Henrique de Matos


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS