Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    sexta-feira, 20 de outubro de 2017

    ‘Eu sou fazendeiro’ diz golpista 'conhecido' que deu prejuízo em bar da Capital

    Aplicou o golpe por duas vezes no mesmo bar

    © Ilustração
    O dono de um bar no Centro de Campo Grande procurou a Polícia Civil na quinta-feira (19), após cair em um golpe que deu prejuízo de aproximadamente R$ 1,1 mil. Um suposto cliente foi ao estabelecimento consumiu R$ 850 e, na hora de pagar a conta, disse que seria fazendeiro e que depositaria o dinheiro depois.

    A conta nunca foi paga e o estelionatário ainda teve coragem de voltar ao local para aplicar o golpe pela segunda vez, conforme o registro da ocorrência.

    O empresário disse aos policiais que a primeira ‘visita’ ocorreu no dia 12 deste mês. O golpista foi ao local, com amigas e, consumiu R$ 850. Ele disse ser fazendeiro e que pagaria depois. A vítima aceitou e um depósito chegou a ser feito, mas, foi estornado depois. O dono do bar disse acreditar que foi um depósito com envelope vazio ou cheque sem fundos.

    Na última quinta-feira, o estelionatário voltou ao estabelecimento com os amigos e, novamente, consumiu sem ter dinheiro para pagar. Dessa vez, a conta foi de R$ 250.

    O homem se identificou com o mesmo nome que havia falado da outra vez, mas entregou um RG (Registro Geral) em nome de outra pessoa ao funcionário do local. O trabalhador checou e descobriu que tratava-se de um estelionatário com passagens pela polícia.

    O RG entregue ao funcionário estava em nome de um homem de 48 anos, que em 2012, foi preso por aplicar golpes pela Capital. Na época, a polícia apurou que ele poderia ter participado de mais de 30 golpes.

    No último golpe, o “fazendeiro” pediu que os amigos fossem buscar o dinheiro e empresário acionou a Polícia Militar. Os amigos não voltaram para pagar a conta e o estelionatário acabou saindo do estabelecimento.

    O caso foi registrado como estelionato na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro.

    Fonte: Midiamax
    Por: Wendy Tonhati


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS