Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quinta-feira, 28 de setembro de 2017

    Unidos na prevenção ao suicídio, deputados Prof. Rinaldo e Mara Caseiro debatem assunto em Audiência Pública

    © Greg Medeiros
    Preocupados com os altos índices de suicídios cometidos no Estado, o deputado Professor Rinaldo (PSDB), líder do Governo e a deputada Mara Caseiro (PSDB), autora da Lei que instituiu a campanha Setembro Amarelo, em parceria com a Subsecretaria de Estado de Políticas Públicas para a Juventude, propuseram a audiência pública ‘Setembro Amarelo: Unidos na prevenção ao suicídio’. O evento foi realizado nesta terça-feira (26/9), na Assembleia Legislativa.

    Conforme dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), no mundo a cada 40 segundos uma pessoa comete suicídio e a cada três segundos uma pessoa tenta tirar a própria vida, aponta ainda que nove em cada dez casos poderiam ser evitados. O diagnóstico é fundamental e o apoio da família ajuda no tratamento, o suicídio é considerado problema de saúde pública, porém ainda é tema tabu para muitas famílias, a prevenção é a principal forma para evitar.

    Mato Grosso do Sul é vice-líder no ranking nacional de suicídios de jovens, com idades entre 15 e 29 anos. De cada dez pessoas que cometeram suicídio no Estado, quatro são jovens. Já em Campo Grande, de acordo com informações da Secretaria Municipal de Saúde Pública (Sesau), nos três primeiros meses deste ano foram registradas 220 tentativas de suicídio, sendo 163 mulheres e 57 homens, dos quais 126 eram jovens e 11 adolescentes.

    O gestor do Centro de Apoio Biopsicossocial do Corpo de Bombeiros Militar, Capelão Edilson dos Reis, falou da sua experiência, “temos visto que infelizmente o jovem de hoje não sabe lidar com frustrações, a falta de limites também é um fator que influencia. O núcleo familiar está adoecido, quando falamos de suicídio, nós estamos nos referindo a falta de qualidade nas relações interpessoais. Quem está sofrendo precisa falar sobre o assunto, compartilhar o que sente, não quer ser ignorado e julgado, quer apenas poder falar", revelou. O capelão Reis também é coordenador do curso de Prevenção ao Suicídio do Hospital Universitário da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, único curso do gênero no país.

    O médico psiquiatra, Marcos Estevão dos Santos Moura, trouxe alguns esclarecimentos. “É muito difícil de determinar o que leva uma pessoa a tirar a sua própria vida. Não se pode comparar o sentir de uma pessoa com o de outra. Contudo sabemos que alguns fatores contribuem para o suicídio, como a vulnerabilidade genética e a estrutura familiar. Ao realizar o ato, ele não quer morrer, ele quer é a acabar com seu sofrimento. Suicídio é a morte da saúde mental e todos nós temos que compartilhar a responsabilidade na busca de soluções”, advertiu o psiquiatra. O psiquiatra enfatizou ainda que as principais causas de suicídio são: depressão, dependência química, transtorno de personalidade, bipolaridade e esquizofrenia.

    Para a deputada Mara Caseiro, “o tema tem afligido e muito a nossa sociedade. Não é possível vermos diariamente pessoas ceifando suas vidas e não fazermos nada. Como nós podemos agir e salvar essas vidas? Não queremos falar só em números, queremos falar em causas e também buscar alternativas para ajudar. Nosso objetivo é a prevenção”, pontuou.

    O deputado Professor Rinaldo destacou que “é importante termos mais conhecimento de como agir para evitar o suicídio, de entender os sinais que as pessoas dão e poder ajudá-las. Na audiência debatemos diversos tópicos importantes, vimos que o suicídio não é um caso isolado, ouvimos orientações, falamos da importância das instituições que servem de amparo a essas pessoas, recebemos reclamações da falta de capacitação de profissionais, que muitas vezes não recebem essas pessoas com carinho e respeito. Saímos com a certeza de que muito ainda precisa ser feito, mas falar do assunto, quebrar tabus e aprender a ajudar, é o mais importante do debate”. 

    Serviço

    Onde buscar ajuda - Nas escolas clínicas de psicologia, nos Centros de Atenção Psicossocial (Caps), nas Unidades de Pronto Atendimento, nos telefones 3383-4112 e 3383-4113 do Grupo Amor à Vida (GAV), 193 do Corpo de Bombeiros e 190 da Polícia Militar.

    Capacitação 

    O curso de Prevenção ao Suicídio do Hospital Universitário da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul é oferecido gratuitamente, as turmas são anuais com início em março e término em novembro. Maiores informações através do E-mail prevencaodosuicidio@gmail.com.


    Fonte: ASSECOM
    Por Ely Silveira


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS