Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    sábado, 5 de agosto de 2017

    Polícia boliviana prende família que levou mulher doente a funerária para esperar morte

    Três parentes são acusados de terem pedido alta de Carmen Chacón do hospital e a levado para seu próprio funeral, onde passou 18 horas viva, inconsciente, mas coberta por uma manta.

    Carmen Chacón havia sido hospitalizada com pneumonia agravada por diabetes (Foto: Reprodução/ Facebook/ Escarly Ticona)
    O velório de uma mulher boliviana que ainda estava viva levou à prisão de três pessoas, acusadas pela Justiça da Bolívia de tentativa de homicídio e de feminicídio.

    Carmen del Pilar Chacón, 64, foi encontrada viva pela polícia na última quarta-feira (2), depois de ter passado cerca de 18 horas sobre uma mesa e coberta por uma manta, rodeada de familiares "de luto".

    Segundo a imprensa do país, porém, Chacón havia sido internada com um quadro grave de pneumonia, diabetes, hipertensão e anemia, mas tirada do hospital por três parentes - uma de suas filhas, o marido desta e uma tia dele - enquanto ainda estava inconsciente.

    "Os familiares disseram que haviam recebido (do médico) a informação de que (Chacón) morreria e pediram alta voluntária. Evidentemente foram (a funerária) deixá-la esperando a morte", disse na quinta-feira o promotor de La Paz Edwin Blanco ao jornal La Razón.

    A polícia afirma que foi uma amiga de Chacón quem percebeu, durante o funeral, que ela ainda estava viva.

    "Me aproximei para ver minha amiga e vi que ela estava com vida em uma mesa, coberta por uma manta", disse em seu perfil no Facebook Escarly Ticona.

    A uma emissora de TV, Ticona contou ter perguntado à filha de Chacón por que havia levado a mãe à funerária sem que estivesse morta. "Ela me disse que não poderia levá-la para sua casa porque tem uma filha."

    O administrador da funerária onde Chacón era velada também foi detido, mas liberado pouco depois por não haver evidências até o momento de que tenha sido cúmplice.

    Chacón, porém, não estava sendo velada em uma das salas oficiais da funerária, mas sim em um quarto contíguo do local.

    "Tive o horror de admitir (o erro); é a primeira e única vez que isso acontece, não temos nenhum antecedente", disse o administrador à emissora ATB. "(Os parentes) me mostraram um documento mostrando que a senhora tinha uma falência múltipla de órgãos. Me comovi com a família e aceitei ceder a eles um ambiente que não é o funerário."

    O caso rapidamente se tornou um dos mais comentados no país, inclusive por autoridades.

    "O que está acontecendo com a nossa sociedade? Por acaso perdemos todos os valores humanos? Exigimos uma profunda investigação", afirmou o ministro boliviano de Justiça, Héctor Arce.

    Chacón voltou a ser hospitalizada, e seu quadro era grave até sexta-feira.
    Chacón se encontra em terapia intensiva no Tórax © Página Siete

    Em meio à comoção causada pelo caso, os médicos que a haviam tratado inicialmente negaram ter dito a seus parentes que ela estava à beira da morte.

    "Em nenhum momento ela foi desenganada nem indicamos que ela tinha poucas horas de vida, mas os parentes consideraram que ela provavelmente não melhoraria e pediram a alta médica de forma voluntária", disse Humberto Ticona, da equipe de terapia intensiva do Instituto Nacional do Tórax de La Paz, ao jornal Página Siete.

    Por BBC


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS