Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 9 de agosto de 2017

    Joesley Batista, da JBS, chega para depor na sede da PF em SP

    Ele presta depoimento em investigação sobre venda de ações após acordo de delação. 

    Joesley chega para prestar depoimento na sede da PF em SP (Foto: Aloisio Mauricio/FotoArena/Estadão Conteúdo)
    O dono da JBS, Joesley Batista, chegou às 9h15 para depor na sede da Polícia Federal em São Paulo nesta quarta-feira (9). Ele prestará depoimento em investigação sobre a venda de ações da empresa após acordo de delação.

    Segundo investigação do Ministério Público Federal, os controladores da JBS, organizados por meio da FB Participações, podem ter evitado uma perda de R$ 138 milhões com a venda de ações às vésperas de os executivos da empresa assinarem acordo de delação premiada.

    O irmão de Joesley, Wesley Batista, prestará depoimento às 15h, sobre o mesmo processo.

    A JBS foi alvo de busca e apreensão na Operação Tendão de Aquiles, que investiga uso de informação privilegiada por parte das companhias.
    Joesley Batista, um dos donos da JBS, chega para depor na sede da PF em SP (Foto: Amós Alexandre/Gnews)
    Acordo de delação

    O acordo de delação dos executivos da JBS foi firmado em 3 de maio. Entre 24 e 27 de abril – dias antes, portanto – a JBS comprou cerca de 19,8 milhões de ações da própria empresa, segundo as investigações. Desse total, 7,2 milhões foram vendidas pela FB Participações – empresa que reúne os negócios da família Batista. A operação é considerada atípica.

    Desde que a delação foi divulgada, as ações da JBS chegaram a perder quase 40% do seu valor. A empresa informou que "todas as operações de compra e venda de moedas, ações e títulos realizadas pela J&F, suas subsidiárias e seus controladores seguem as leis que regulamentam tais transações".

    Compra de dólar

    Além da compra e venda de ações, a empresa é investigada por possíveis irregularidades em operações de câmbio. O pedido de investigação partiu da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), que também apura o caso em processos administrativos. A CVM encaminhou a denúncia para o MPF fazer uma investigação criminal.

    De acordo com as investigações, entre os dias 28 de abril, pouco antes da assinatura do acordo de delação, e 17 de maio, a JBS realizou diversas operações de câmbio aumentando sua posição em dólares. No dia seguinte, a moeda norte-americana disparou 8%.
    Joesley Mendonça Batista. Brasil, São Paulo, SP. 28/11/2012. Joesley Batista, presidente da J&F, grupo que controla o frigorífico JBS, posa para fotografia na sede da empresa em São Paulo. (Foto: Jonne Roriz/Estadão Conteúdo)

    Por G1 SP


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS