Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    sábado, 22 de julho de 2017

    CASO KAUAN| Bombeiros retomam buscas por corpo de criança no Rio Anhanduí

    Suspeito confessou ontem a polícia que matou e jogou uma criança no local

    Bombeiros e policiais militares no rio Anhanduí na manhã deste sábado (22) (Foto: Marcos Ermínio)
    O Corpo de Bombeiros e policiais militares e civis retomaram na manhã deste sábado (22), as buscas pelo corpo de uma criança que teria sido atirado no rio Anhanduí, na região do bairro Aero Rancho, em Campo Grande. A ação teve início na tarde de ontem (21), mas foi interrompida no início da noite.

    Segundo militares, as buscas iniciaram por volta das 5h30. Três equipes percorrem o rio e a área de buscas já é de 2 quilômetros considerando que os bombeiros foram até a ponte que passa pelo rio, no bairro Dom Antônio Barbosa.

    Conforme o subtenente do Corpo de Bombeiros Air, também foram solicitados mergulhadores para auxiliarem no trabalho.

    O delegado que investiga o caso, Paulo Sérgio Lauretto, titular da Depca (Delegacia Especializada em Proteção a Criança e ao Adolescente) também está no local, porém não quis falar com a imprensa.

    Caso

    A informação sobre o suposto corpo foi passada ao delegado por um suspeito, que estava preso na delegacia e confessou ter matado uma criança há alguns dias e atirado o cadáver em trecho do rio na avenida Thirson de Almeida, continuação da Ernesto Geisel.

    Ontem inclusive ele foi levado ao local. Ao Campo Grande News, por telefone o delegado Paulo Sérgio Lauretto, havia dito anteriormente que "existe a possibilidade" do corpo ser do menino Kauan Andrade Soares dos Santos, 9 anos, desaparecido desde o dia 25 de junho. A família, entretanto, não recebeu nenhuma informação até agora.

    Revolta 

    Morador que não quis se identificar, disse que a possibilidade do corpo ser de Kauan revoltou a vizinhança. "Ele brincava e soltava pipa por aqui. Todo mundo o conhecia e sua família. Espero que quem fez isso com ele pague", afirma.


    Fonte: campograndenews
    Por: Guilherme Henri e Yarima Mecchi
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS