Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    terça-feira, 18 de abril de 2017

    'Sempre trabalhamos com caixa 2', diz Mônica Moura ao juiz Sérgio Moro

    Marqueteiro João Santana e a mulher dele foram interrogados pelo juiz federal Sérgio Moro nesta terça-feira (18). Mônica Moura disse que quis 'preservar' a então presidente Dilma Rousseff (PT) ao negar caixa 2 no exterior.

    Monica Moura e João Santana foram presos na 23ª fase da Lava Jato e deixaram a prisão em agosto de 2016 - Geraldo Bubniak / Agência O Globo
    "Sempre trabalhamos com caixa 2", afirmou Mônica Moura, mulher do ex-marqueteiro do PT João Santana, ao juiz Sérgio Moro, responsável pelas ações da Lava Jato na primeira instância, durante interrogatório na Justiça Federal de Curitiba, na tarde desta terça-feira (18). Ela e o marido também confirmaram que a empresa deles recebeu dinheiro de caixa 2 em todas as campanhas políticas em que atuou.

    Mônica disse, ainda, que queria "preservar" a então presidente Dilma Rousseff (PT) em depoimento prestado à Polícia Federal (PF) em 24 de fevereiro de 2016, quando negou ter recebido dinheiro de caixa 2 no exterior por campanhas realizadas no Brasil.

    Ao questionar Mônica sobre o depoimento à PF, Moro lembrou que ela declarou nunca ter recebido valores lá fora relacionados a campanhas eleitorais do Brasil. Mônica confirmou que não foi totalmente sincera no depoimento à PF. O casal já tinha admitido caixa 2 na campanha de Dilma, durante depoimento em julho do ano passado.

    “Nessa época, há um ano e pouco atrás, quando a gente foi preso, a gente queria preservar a presidente Dilma, que já estava em um momento complicado. O país estava em um momento complicado. E a gente não queria dizer que tinha recebido dinheiro de campanha dela, especificamente no caso de 2010. A gente não queria falar desses recebimentos. Tinha nada a ver com ela, a gente falou que era tudo no exterior, mas enfim. Era outro momento, era outra história, doutor”, afirmou.

    João Santana e Mônica Moura são réus em ação penal que apura se o ex-ministro Antônio Palocci recebeu propina para atuar a favor da Odebrecht. O casal teve o acordo de delação premiada homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) em 4 de abril.

    Caixa 2

    “Todas as campanhas políticas que nós fizemos. Todas. Da Polis e antes da Polis, quando eu era apenas uma funcionária de outros marqueteiros, sempre trabalhamos com caixa 2, com recursos não contabilizados. Em todas as campanhas” afirmou Monica Moura ao juiz.

    Ao responder Moro, João Santana também disse que a empresa dele recebeu pagamentos não contabilizados. “Houve constante, aliás, como é uma prática no mercado de marketing político eleitoral no Brasil e boa parte do mundo”.

    Lula e a campanha em El Salvador

    De acordo com João Santana, o ex-presidente Lula pediu para que ele fizesse a campanha do ex-presidente de El Salvador Mauricio Funes. O publicitário disse que imagina que o pagamento proveio da Odebrecht. O valor mencionado é de R$ 5 milhões.

    “ (...) Isso se repetiu no ano de 2009. Quando nós fomos convidados para fazer essa campanha, a garantia que nos foi dada pelo PT, pelos seus representantes já citados, de que a Odebrecht faria essa pagamento”.

    Mônica também relatou que, de campanhas realizadas em oito países, a única que teve a interferência do Brasil foi a de El Salvador. "Foi um pedido do presidente Lula para que a gente fosse fazer essa campanha. O Palocci disse que ajudaria a pagar e a Odebrecht pagou uma parte. As outras campanhas no exterior não têm nada a ver com o Brasil", afirmou.

    Palocci

    Mônica disse que a negociação do valor total da campanha era feita com Palocci. “Depois, ia à parte oficial, tratar com o tesoureiro da época. Palocci me encaminhava a quem ia me pagar o caixa 2. Era Palocci quem resolvia”, afirmou.

    Depois que acertava o valor com Palocci, Mônica afirmou acertava os detalhes com a Odebrecht. "Eles sempre queriam pagar tudo no exterior. Hilberto dizia que para eles era mais seguro, eles não queriam fazer pagamentos no Brasil, movimentar dinheiro. Mas eu sempre precisava de dinheiro no Brasil. Era com a Odebrecht que a gente entrava em um acordo que parte do valor da campanha do Brasil que iria para lá e que parte pagaria aqui", acrescentou.

    Palocci, afirmou Santana, era a pessoa responsável pela articulação política e financeira.

    Pagamentos da Odebrecht

    Santana afirmou que a relação da empresa dele com o Grupo Odebrecht começou na campanha de reeleição do ex-presidente Lula e que recebeu vários pagamentos não contabilizados da empreiteira.

    “Na época, o ministro Antonio Palocci, já não era mais ministro, ele fez esse contato e uma parte do pagamento desta campanha de reeleição do presidente Lula foi feita pela Odebrecht”, relatou.

    Campanhas municipais

    Santana também confirmou pagamentos não contabilizados referentes às campanhas municipais, em 2008, das agora senadoras Marta Suplicy (PMDB) e Gleisi Hoffmann (PT). O valor seria de R$ 18 milhões e feitos pela Odebrecht partir do interesse do PT. Quanto o valor, Santana diz imaginar que sejam R$ 18 milhões. Segundo ele, a mulher dele poderia confirmar a cifra.

    O G1 tenta contato com as pessoas citadas na reportagem.

    Prisão e condenação

    João Santana e Mônica Moura foram presos na 23ª fase da Lava jato e deixaram a cadeia em agosto de 2016. Os dois já foram condenados em outra ação da operação, pelo crime de lavagem de dinheiro, a 8 anos e 4 meses de prisão cada.

    A acusação

    O processo apura se Palocci recebeu propina para atuar em favor do Grupo Odebrecht, entre 2006 e o final de 2013, interferindo em decisões tomadas pelo governo federal. Segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), o ex-ministro também teria participado de conversas sobre a compra de um terreno para a sede do Instituto Lula, que foi feita pela Odebrecht, conforme as denúncias.

    Além de Palocci, João Santana e Mônica Moura, estão entre os réus o ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto, o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque e o ex-presidente da Odebrecht S.A. Marcelo Odebrecht.

    A denúncia trata de pagamentos feitos para beneficiar a empresa SeteBrasil, que fechou contratos com a Petrobras para a construção de 21 sondas de perfuração no pré-sal. O caso foi delatado pelo ex-gerente de Serviços da Petrobras, Pedro Barusco.

    As investigações mostram que o valor pago pela Odebrecht a título de propina pela intermediação do negócio chegou a R$ 252.586.466,55. Esse valor foi dividido entre as pessoas que aparecem na denúncia. Em troca disso, a empresa firmou contratos que, somados, chegaram a R$ 28 bilhões.


    Por Alana Fonseca, Aline Pavaneli, Bibiana Dionísio e Samuel Nunes, G1 PR, Curitiba
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS