Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

    Policial aposentado é condenado a 18 anos e 2 meses por morte de vizinho

    Cerqueira foi acusado de crime que ocorreu em março de 2014. Empresário Rodrigo José Rech tinha 31 anos quando foi morto com 4 tiros.

    Reprodução/TVMorena

    Um policial civil aposentado foi condenado a 18 anos e dois meses por matar a tiros um empresário de 31 anos. O crime ocorreu há dois anos no bairro Monte Castelo. O julgamento foi Tribunal do Júri, nesta quarta-feira (30), em Campo Grande.

    Carlos Roberto Cerqueira, de 58 anos, é acusado de matar, com quatro tiros, o empresário Rodrigo José Rech, de 31 anos. O crime ocorreu no dia 24 de março de 2014 no bairro Monte Castelo, na capital sul-mato-grossense.

    Familiares da vítima acompanham o julgamento. O advogado de defesa, Jail Azambuja, alegou legítima defesa.

    Segundo o juiz responsável pelo júri, Aluízio Pereira dos Santos, a defesa alegou ainda que o policial aposentado tem doença mental. Vários laudos psicológicos foram anexados ao longo do processo. O magistrado relatou que a defesa tentou provar que o policial é imputável, mas ficou provado que é semi-imputável, o que poderia reduzir a pena.

    Carlos Roberto Cerqueira ficou um ano foragido e estava preso desde março de 2015. Ele respondeu por homicídio e também por tentativa de homicídio contra Luan Carlos Torres, um funcionário da vítima, que estava no local. Cerqueira ainda respondeu por posse irregular de arma de fogo.
    Reprodução/TVMorena


    O assassinato foi flagrado por câmeras de segurança. O motivo do crime foi uma briga entre os vizinhos, que se arrastava há 12 anos, por conta de uma obra. Vários boletins de ocorrência foram registrados nesse período. A imagem mostra a vítima com uma das mãos para trás. Ao ver o policial aposentado e o filho em sua direção, Rodrigo Rech levanta as mãos, mesmo assim é baleado. Os tiros atingiram a barriga e a cabeça. Depois de atirar no vizinho, o policial aposentado sai ao lado do filho.



    Do G1 MS



    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS