Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quinta-feira, 10 de novembro de 2016

    "A educação deve levar o que pretendemos: formar agentes críticos e cidadãos capacitados", diz Pedro Chaves

    Foto: Luciana Novaes

    A comissão mista do Congresso discutiu, nesta quarta-feira (9) a MP 746/2016, da reforma do ensino médio, com a presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), Camila Lanes, a presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Carina Vitral, o coordenador Geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, Daniel Tojeira Cara, o presidente da Associação Nacional dos Docentes do Ensino Superior , Andes Eblin Joseph Farage, a presidente da Associação Nacional pela Formação dos Profissionais da Educação (Anfope), Iria Brzezinski, a coordenadora do Movimento Nacional em Defesa do Ensino Médio, Monica Ribeiro da Silva, e com a presidente Executiva do Movimento Todos pela Educação(TPE), Priscila Fonseca da Cruz.

    Diante das manifestações dos estudantes, o relator, Senador Pedro Chaves (PSC-MS), reconheceu o viés ideológico contido na educação que pretende a formação integral do cidadão como agente crítico. 
    Foto: Luciana Novaes

    "A MP enseja em uma oportunidade que devemos aproveitar para fazer o que mais desejamos para a educação dos nossos estudantes. Seria muito mais simples elaborar o relatório e submetê-lo à tramitação legislativa, mas não. Desde o início dos trabalhos desta comissão mista, adotamos uma postura a mais democrática possível e viemos desde então acolhendo todas as indicações de convidados, cujas contribuições tem enriquecido o documento, hoje, totalmente diferente do original", declarou. 

    Pedro Chaves disse que pretende elevar de 800 horas para 1.000 horas/ano do ensino básico, ou seja, de 2.400 para o total 3 mil horas tanto no diurno como no noturno. Por outro lado, serão 25 horas por semana, 1.800 horas para a base nacional e 1.200 para os itinerários formativos. "Estamos com 568 emendas à MP que estou analisando diariamente, aproveitando as valiosas contribuições do relatório apresentado pelo deputado Wilson Filho, do PL 6840/2013", concluiu. 

    Na próxima quarta-feira (16), a comissão da MP 746/2016 ouvirá Ângela Maria Paiva (UNDIFES), a diretora do Centro de Estudos Acaia Sagarana, Ana Amélia Inoue, o presidente do Instituto Natura, David Saad, o professor UNICAMP, Leandro Karnal, Marcos Magalhães (ICE), o professor PUC/SP, Mário Sergio Cortella, o reitor Instituto Federal do PR, Odacir Antônio Zanata e Rodolfo Fioruccio do Instituto Federal do Paraná.



    Fonte: ASSECOM



    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS