Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 19 de outubro de 2016

    Onevan participa de inauguração de novas alas do Hospital do Câncer de Campo Grande

    Deputado integrou emenda parlamentar coletiva que garantiu equipamentos para unidade hospitalar oncológica

    Divulgação

    O vice-presidente da Assembleia Legislativa, deputado estadual Onevan de Matos, participou, nesta segunda-feira, da solenidade de inauguração das novas alas do Hospital de Câncer de Campo Grande.

    Novas Alas 

    As novas alas inauguradas na "Unidade Nelson Buaianain" contemplam consultórios médicos e salas para exames, bem como uma ampla unidade de terapia intensiva (UTI), com 20 leitos à disposição da população.
    Divulgação

    O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul investiu mais de R$ 10 milhões em obras e equipamentos e deverá investir outros R$ 20 milhões para a conclusão da obra, com 7 andares, cuja previsão de inauguração é no final de 2017 – quando o hospital estiver concluído haverá a ampliação de 48 para 240 leitos.

    De acordo com o diretor-presidente do Hospital de Câncer, Carlos Alberto Coimbra, a expectativa é que a unidade hospitalar oncológica dobre os atendimentos realizados, saltando de 100 mil procedimentos realizados em 2014 para até 200 mil ainda em 2016.

    Emenda Parlamentar 

    O deputado estadual Onevan de Matos, que tem sua trajetória político-parlamentar marcada pelo trabalho em favor da Saúde de Mato Grosso do Sul, participou da destinação de uma emenda parlamentar coletiva (Exercício 2016) para a aquisição de equipamentos para o Hospital do Câncer de Campo Grande.

    "Hoje é um marco na história de Mato Grosso do Sul, no qual o Estado avança na prevenção e no atendimento ao câncer – esta doença tão terrível. Aqui há investimentos do Governo, emendas parlamentares dos deputados, doações de artistas e voluntários, enfim, há um grande esforço coletivo em favor da nossa população", destacou Onevan de Matos.
    Divulgação
    Divulgação
    Divulgação
    Divulgação





    Fonte: ASSECOM
    Por: Fernando Ortega 
    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS