Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    sexta-feira, 14 de outubro de 2016

    Diretor do Hospital Regional de Ponta Porã prestigia inauguração do setor de saúde do Estabelecimento Penal Feminino

    Autoridades reunidas durante inauguração simbólica do setor de saúde do Estabelecimento Penal Feminino de Ponta Porã nesta quinta-feira (13) - Foto: Julieta Romeiro

    O diretor geral do Hospital Regional Dr. José de Simone Netto, Silvério Cardoso, participou da inauguração simbólica do setor de saúde do Estabelecimento Penal Feminino de Ponta Porã, realizada na manhã desta quinta-feira (13). “Esta obra propicia a atenção das necessidades básicas das reeducandas, além de facilitar e dar agilidade nos atendimentos, pois não será mais necessário que elas se desloquem com escolta até o Hospital Regional”, destacou Cardoso.

    Atualmente 140 mulheres cumprem pena no sistema fechado e 19 no semiaberto. A obra é resultado do investimento de recursos públicos oriundos do Ministério da Saúde juntamente com a Prefeitura Municipal de Ponta Porã.

    A diretora do Estabelecimento Penal Feminino, Kátia Regina de Oliveira Ramos, disse que a unidade beneficiará o atendimento médico, odontológico e de assistência à saúde das reeducandas em cumprimento de pena. Segundo ela, o atendimento estava sendo realizado, porém de forma restrita e em ambiente provisório. “Com a conclusão desta obra, o atendimento será ampliado para as mulheres que cumprem pena neste estabelecimento penal”.

    O evento contou com a presença de diversas autoridades, entre elas o prefeito de Ponta Porã, Ludimar Novais, os diretores da Agepen (Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário) Reginaldo Régis (Operações), Arnold Rozenaker (Administração e Finanças), o diretor do Estabelecimento Penal Ricardo Brandão, Carlos Eduardo Jardim, o diretor do Semiaberto, Aberto e Albergado de Ponta Porã, José Hilton Larceda, o secretário municipal de Saúde, Imad Ahmad Hazime, e o presidente da 5ª Subseção da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), Luiz Rene Gonçalves do Amaral.






    Fonte: ASSECOM
    Por: Julieta Romeiro

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS