Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quinta-feira, 15 de setembro de 2016

    Justiça condena Bumlai a 9 anos e 10 meses de prisão por corrupção

    Pecuarista está preso no PR; decisão de Sérgio Moro é desta quinta (15). Outros sete réus em um processo da 21ª fase também foram condenados.

    Pecuarista José Carlos Bumlai está preso no Paraná e é alvo da 21ª fase da Lava Jato (Foto: Dida Sampaio/Estadão Conteúdo)

    O juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, condenou o pecuarista José Carlos Bumlai a 9 anos e 10 meses de prisão em um processo da 21ª fase por crimes como gestão fraudulenta e corrupção passiva.

    Na mesma sentença, publicada na manhã desta quinta-feira (15), o juiz também condenou o empresário Fernando Antonio Falcão Soares, o Fernando Baiano, o ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT) João Vaccari Neto, e outros quatro réus do processo.

    Bumlai foi condenado pela participação, obtenção e quitação fraudulenta do empréstimo no Banco Schahin de R$ 12 milhões, em 2004, e pela participação, solicitação e obtenção de vantagem indevida no contrato entre a Petrobras e o Grupo Schahin para a operação do Navio-Sonda Vitória 10.000.

    No dia 6 de setembro, o pecuarista voltou para a prisão no Paraná. Ele está detido no Complexo Médico-Penal em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Bumlai é amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e atualmente passa por um tratamento contra um câncer na bexiga.

    Na sentença, Moro destacou que o empréstimo de R$ 12 milhões foi fraudulento e que o real beneficiário dos valores foi o Partido dos Trabalhadores (PT). "Não há divergência, nas confissões, quanto a isso e a prova documental e testemunhal já revela o fato".

    O juiz afirmou ainda que o PT utilizou Bumlai como pessoa interposta e os valores para realizar pagamentos a terceiros de seu interesse. "Isso é afirmado não só por acusados que celebraram acordo de colaboração premiada, como Salim Taufic Schahin, como por acusados que não dispõe de qualquer acordo, como o próprio José Carlos Costa Marques Bumlai", declarou o magistrado. 

    Confira quem são os condenados, os crimes e as penas aplicadas 

    José Carlos Bumlai (pecuarista) - gestão fraudulenta e corrupção passiva, 9 anos e 10 meses
    Eduardo Costa Vaz Musa (ex-gerente da Petrobras) - corrupção passiva, 6 anos
    Fernando Falcão Soares (empresário) - corrupção passiva, 6 anos de reclusão
    Fernando Schahin (ex-executivo do grupo Schahin) - corrupção ativa, 5 anos e quatro meses
    João Vaccari Neto (ex-tesoureiro do PT) - corrupção passiva, 6 anos e 8 meses
    Milton Taufic Schahin (executivo do Grupo Schahin) - gestão fraudulenta e corrupção ativa, 9 anos e 10 meses de reclusão
    Salim Taufic Schahin (executivo do Grupo Schahin) - gestão fraudulenta e corrupção ativa, 9 anos e 10 meses
    Nestor Cuñat Cerveró (ex-diretor da área Internacional da Petrobras) - corrupção passiva, 6 anos e oito meses

    O ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Jorge Luiz Zelada foi absolvido pelo juiz Sérgio Moro pelo crime de corrupção passiva por falta de provas. Maurício de Barros Bumlai, filho de Bumlai, também absolvido pelos crimes de gestão fraudulenta e corrupção passiva.

    O que dizem as defesas

    A advogada Daniela Meggiolaro, que representa José Carlos Bumlai, afirmou que a sentença é "de manifesta injustiça". Ela disse ainda que a defesa vai recorrer e que confia que a decisão será reformada no Tribunal Regional Federal em segunda instância.

    De acordo com o advogado do ex-tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, Luiz Flávio Borges D’Urso, a condenação é absolutamente sem base, sem qualquer prova. “É uma condenação que leva em consideração somente uma expressão trazida pelo delator Schahin, que atribuiu ao senhor Vaccari um conhecimento que ele não tinha. A lei brasileira proíbe condenação baseada exclusivamente em delação sem provas. Vamos recorrer, sem dúvidas”, afirmou.

    A assessoria de imprensa do Grupo Schahin foi procurada pela reportagem e ficou de dar um retorno ainda nesta quinta-feira.

    O advogado de Fernando Soares, Sérgio Riera, informou que ainda não teve acesso à sentença e que vai se pronunciar mais tarde.

    O G1 tenta contato com a defesa dos demais condenados.




    Do G1 PR
    Por: Adriana Justi e Alana Fonseca

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS