Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 31 de agosto de 2016

    Temer diz que governo não é golpista e que não aceitará divisão na base

    Presidente fez declaração na primeira reunião ministerial após impeachment. 'Não vamos levar desaforo para casa', afirmou antes de viagem à China.

    Reprodução/Vídeo

    O presidente da República Michel Temer afirmou nesta quarta-feira (31), na primeira reunião ministerial do governo após a aprovação do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, que agora a cobrança sobre o governo será "muito maior", e rejeitou a acusação de que o impeachment foi um golpe.

    A reunião ministerial começou pouco mais de quatro horas após a aprovação do impeachment de Dilma pelo Senado, e cerca de uma hora após sua posse no plenário do Senado.

    Ele pediu reação ao discurso dos partidários da ex-presidente Dilma Rousseff, que acusam os senadores que voltaram a favor do impeachment de golpistas. "Golpista é você, que está contra a Constituição", afirmou. "Não vamos levar desaforo para casa".
    Reprodução/Vídeo

    Temer disse que é preciso responder às acusações do tipo. "Não podemos deixar uma palavra sem resposta", afirmou.

    O presidente ainda disse que durante o processo de impeachment não respondeu às acusações e foi de uma "discrição absoluta", mas que agora não levará ofensa para casa. "As coisas se definiram, e é preciso muita firmeza", afirmou.

    Ele ainda disse que "no plano internacional tentaram muito e conseguiram dizer que no Brasil houve golpe", e disse que não se pode tolerar essa informação. "Isso aqui não é brincadeira."

    Viagem à China

    Na noite desta quarta, Temer viaja para a China, onde participará do encontro do G20, que reúne países com as maiores economias do mundo.

    Segundo ele, a viagem será o primeiro momento para anunciar "novidade brasileira" aos outros países e começar a trazer investimento estrangeiro para o Brasil. Ele afirmou que terá uma reunião bilateral com o presidente da China no dia 2 de setembro e já foi convidado para reuniões com outros chefes de Estado durante o tempo em que ficará no país.

    Temer pediu que os ministros divulguem que ele irá para a Ásia "para revelar aos olhos do mundo que temos estabilidade política e segurança jurídica."

    União política

    Em seu discurso aos ministros, o presidente empossado uma hora antes pediu trabalho com afinco de sua equipe, a desburocratização de medidas e a divulgação das medidas tomadas pelo governo.



    Do G1, em Brasília
    Por: Filipe Matoso e Alexandro Martello

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS