Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    quarta-feira, 3 de agosto de 2016

    Simone diz que Lewandowski conduzirá impeachment com imparcialidade

    Simone acredita na imparcialidade do STF para prosseguir o rito do impeachment (Foto: divulgação)

    A senadora Simone Tebet (PMDB-MS) disse, em pronunciamento na reunião da Comissão do Impeachment nesta quarta-feira (3), que o Supremo Tribunal Federal não vai se sujeitar a pressão política se achar conveniente agendar a fase de julgamento para o dia 25 de agosto.

    Os apoiadores da presidente afastada reclamaram de suposta pressão do Palácio do Planalto para acelerar o processo.

    Simone lembrou que, em conformidade com os ritos do impeachment, o presidente do Supremo, Ricardo Lewandowski, assume a condução do caso se Dilma Rousseff (PT) for pronunciada pelo Senado e por se tratar de um poder independente, qualquer tipo de pressão não deve influenciar em suas decisões.

    “Ele não vai se sujeitar à pressão do presidente da república porque é um poder independente. Ele não vai se sujeitar à pressão do presidente desta casa, mas também ele não vai se sujeitar a esse discurso midiático da oposição”, afirmou a senadora peemedebista.

    A parlamentar também elogiou o parecer do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG) na Comissão do Impeachment por achar que o relatório refuta, item por item, os argumentos políticos da defesa de Dilma no que se refere aos aspectos jurídicos do crime de responsabilidade.

    Diante disso, Simone afirmou que o STF deve conduzir o caso como está prescrito. “Tenho certeza, pela imparcialidade do Supremo Tribunal Federal, a mais alta corte desse país, que o presidente Levandowski, juntamente com seus assessores, vai cumprir, rigorosamente, os prazos, o procedimento e o rito que está estabelecido subsidiariamente no Código de Processo Penal”, conclui.



    Fonte: campgorandnews
    Por: Ricardo Campos Jr.
    Link original: http://www.campograndenews.com.br/politica/simone-diz-que-lewandowski-conduzira-impeachment-com-imparcialidade

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS