Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 22 de agosto de 2016

    PGR suspende negociações de delação premiada com Léo Pinheiro

    Ex-presidente da OAS negociava acordo para tentar reduzir pena. Vazamento de informações sobre a delação provocou a suspensão, diz PGR.

    empresário José Aldemário Pinheiro, conhecido como Léo Pinheiro, ex-presidente da construtora OAS - Divulgação/Arquivo

    A Procuradoria Geral da República informou nesta segunda-feira (22) que suspendeu as tratativas para um acordo de delação premiada com o empresário José Aldemário Pinheiro, conhecido como Léo Pinheiro, ex-presidente da construtora OAS.

    O empresário já tinha assinado um termo de confidencialidade, que é a fase inicial da delação, mas ainda não havia firmado o acordo.

    Ele já foi condenado pela Justiça Federal, em primeira instância, a 16 anos e quatro meses de prisão acusado de cometer os crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

    De acordo com a Procuradoria, o vazamento de informações sobre a delação provocou a suspensão da negociação.

    A suspensão das tratativas foi noticiada pelo jornal "O Globo" e confirmada pela assessoria de imprensa da PGR. De acordo com a publicação, as tratativas para a delação começaram em março.

    A suspensão das negociações não significa que o acordo não possa ocorrer. Mas investigadores ligados ao caso consideram difícil que a delação de Léo Pinheiro seja concluída, já que um dos critérios para o acordo era a confidencialidade das informações.

    Mensagens

    Em janeiro, o G1 e a TV Globo tiveram acesso a mensagens de celular trocadas entre Léo Pinheiro e diversos interlocutores, que mostravam que a rede de contatos do executivo abrangia integrantes dos três poderes da República – Executivo, Legislativo e Judiciário.

    As mensagens estavam em celulares apreendidos pela Polícia Federal e fazem parte das investigações da Lava Jato.

    Entre as centenas de mensagens obtidas pela Polícia Federal após a prisão e apreensão dos celulares de Pinheiro, há contatos diretos do empreiteiro com autoridades e referências a políticos em mensagens trocadas com outras pessoas.

    Na troca de mensagens, políticos chegam a cobrar o repasse de recursos que teriam sido prometidos pelo ex-presidente da OAS.



    Da TV Globo e do G1, em Brasília
    Por: Mariana Oliveira e Renan Ramalho

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS