Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    segunda-feira, 15 de agosto de 2016

    IMPEACHMENT| Veja repercussão entre políticos do afastamento definitivo de Dilma Rousseff

    Afastamento definitivo de Dilma foi aprovado por 61 votos a 20 no Senado. Michel Temer, que assume o cargo agora, vai tomar posse às 16h.

    Reprodução/TVSenado

    Políticos da base aliada do agora presidente efetivado Michel Temer disseram nesta quarta-feira (31) que o impeachment de Dilma Rousseff, aprovado no Senado por 61 votos a 20, abre uma "nova chance para o país". Os parlamentares aliados da presidente afastada criticaram o resultado do julgamento e repetiram a argumentação dos últimos dias de que Dilma não cometeu crime de responsabilidade.

    Os políticos comentaram também a votação que permitiu a Dilma, mesmo com o mandato cassado, manter o direito de ocupar cargo público.

    Veja a repercussão do impeachment entre os políticos:

    Aécio Neves(PSDB-MG), senador

    "A questão essencial foi resolvida e o Brasil passa a ter uma nova chance [...] O que fica para o futuro é algo, ao meu ver, pedagógico. Todos aqueles que assumirem cargos públicos têm que ter a noção clara de que devem cumprir a lei em todos os seus instantes e todos seus detalhes. Quem não cumpre a lei recebe a pena estabelecida na Constituição, que para quem comete o crime de responsabilidade é o afastamento definitivo do cargo"

    Gleisi Hoffmann (PT-PR), senadora

    "Se afasta uma presidente que não cometeu crime de responsabilidade e canta-se o hino nacional. Rasga-se a Constituição e fala-se em nome dela. Eu lamento muito estar fazendo parte deste momento histórico triste para a nossa democracia."

    Lindbergh Farias (PT-RJ):

    “Hoje é um dia trágico. Afastar a presidente por três decretos, enquanto o Congresso todo está acusado. Não tenho duvidas em afirmar que no futuro vai ter uma outra sessão do Senado Federal anulando esse crime que aconteceu hoje.Eu encaro aquela vitoria que a presidente teve na inabilitação, porque tinha muita gente com peso na consciência. Porque sabia que não tinha crime de responsabilidade."

    José Anibal (PSDB-SP), senador

    "Esse resultado foi motivado até pelo comportamento dos seus apoiadores nos últimos dias. Diante da eminente derrota eles se tornaram muito mais agressivos, desrespeitosos e mostrando uma profunda insatisfação com as leis."

    José Eduardo Cardozo, advogado de Dilma e ex-ministro

    "É um dia triste para a democracia brasileira quando uma presidente da República é afastada do seu cargo sem nenhum fundamento sem crime de responsabilidade. Realmente é um golpe parlamentar. Portanto, acho que é um dia triste, nós vamos ao Supremo Tribunal Federal."

    Raimundo Lira (PMDB-PB)

    “Eu sempre fui a favor de manter o texto da Constituição na sua inteireza, mas já que foi dividida eu votei a favor da cassação da presidente Dilma Rousseff e votei contra a supressão de seus direitos políticos porque eu não condeno a mesma pessoa duas vezes”.

    Ronaldo Caiado (DEM-GO)

    “Nós recorreremos no Supremo Tribunal Federal. É inadmissível o fatiamento da pena, a pena é única. Cassação com inabilitação. Esse é um grande acordo costurado e que vai trazer uma situação de beneficiar a todos que serão cassados a partir de agora. São cassados do cargo, mas podem, a partir de amanhã, manter suas funções de secretários, ministros de Estado, podendo ocupar função pública”.




    Do G1, em Brasília

    --

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS