Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    05/02/2019

    Deputado Renato Câmara pede rigor do governo para evitar rompimento de barragens no Estado

    Deputado Renato Câmara pediu ao governo do Estado uma fiscalização mais rigorosa para minimizar os riscos de rompimentos das barragens com rejeitos de mineração em MS ©Toninho Souza
    A tragédia causada com o rompimento da barragem de Brumadinho, em Minas Gerais, também trouxe preocupação quanto às condições de segurança das barragens de mineração instaladas em Mato Grosso do Sul, em especial as 16 estruturas instaladas em Corumbá, na região do Pantanal.

    Diante desta situação, o deputado estadual Renato Câmara (MDB) apresentou indicação na sessão ordinária desta terça-feira (5) da Assembleia Legislativa cobrando rigor do governo do Estado e do Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul na fiscalização das barragens instaladas no Estado.

    No documento, que também é endereçado ao diretor-geral da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica), André Pepitone da Nóbrega, e ao diretor-geral da ANM (Agência Nacional de Mineração) Victor Bicca, o deputado solicitou ao governo do Estado informações a respeito da situação das barragens e quais as medidas a serem tomadas para garantir a segurança de todas as pessoas que vivem nas proximidades das barragens. “Temos que tomar todos os cuidados necessários e verificar a situação das barragens instaladas em nosso Estado, principalmente aquelas que estão na região do Pantanal. Não queremos que um acidente desta proporção se repita em nenhum lugar”, enfatizou Renato Câmara.

    De acordo com a Agência Nacional de Águas, Mato Grosso do Sul possui atualmente 445 barragens, espalhadas em 50 cidades. As estruturas possuem diversas finalidades, sendo a maior parte utilizada para matar a sede do gado, mineração e hidrelétrica. Destas, 29 estão classificadas como de alto risco de acidentes. As estruturas têm classificação quanto ao risco de rompimento e também pelo potencial destrutivo. As barragens também são discriminadas por altura, capacidade e tipo de material, que na maioria dos casos é de terra.

    Por: Henrique de Matos



    Imprimir