Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    12/02/2019

    As profissões que serão tendência em 2019

    ©DIVULGAÇÃO
    Os estudantes que estão no último ano do Ensino Médio começarão a se deparar com uma angústia muito particular: a escolha do caminho profissional que desejam seguir. Há várias formas de detectar o perfil desses jovens e as carreiras com as quais eles mais se identificam. A mais conhecida delas é por meio de orientação profissional, um processo que inclui teste vocacional, conversas com especialistas do mercado e psicólogos, além da análise das profissões mais promissoras para o futuro. 

    Nesse sentido, além de verificar a familiaridade e conexão com cada área de atuação, os adolescentes também precisam analisar o mercado de atuação e as possibilidades para uma carreira promissora. Todos os anos, as principais empresas de recrutamento e consultoria analisam as perspectivas para o mundo do trabalho. Como é de praxe, os empregos tecnológicos sempre aparecem no topo da lista. 

    Em 2018, de acordo com um levantamento publicado pela Revista Veja, foram 858.415 empregos criados com carteira assinada entre janeiro e novembro em todo o país. Entre as carreiras de nível superior, as que mais abriram vagas foram as ligadas ao setores de tecnologia e de saúde. As com o maior número de contratações na área de tecnologia são a de analista de sistemas, com 47.692 vagas, seguida de analista de suporte computacional (14.518) e programador de sistemas (12.271). 

    O setor de tecnologia deve continuar com o mesmo ritmo de contratações em 2019, por um motivo simples: muita demanda e poucos profissionais qualificados. Mas não são apenas as carreiras tecnológicas que estão em alta. Todos os profissionais que possuírem aptidões tecnológicas serão priorizadas no mercado, tanto para vagas de baixa complexidade quanto as de alta gerência. A dica, portanto, é sempre se atualizar quanto às tendências em tecnologia, independentemente da profissão que você escolher. Ter uma mente aberta e estar disponível a mudanças é essencial para ter sucesso no mercado de trabalho atual. 

    O conhecimento da tecnologia está presente em funções como técnico em telemedicina, responsável pela instalação e suporte de sistemas em hospitais e clínicas, por exemplo e em profissões como advogado digital, com conhecimentos específicos sobre a legislação de crimes cibernéticos, e proteção de dados. 

    Profissões em alta em 2019 

    O PageGroup, referência em recrutamento especializado de executivos para diferentes níveis hierárquicos, fez uma lista de quais cargos devem estar em alta no Brasil em 2019. “Se nas esferas político-econômica houver as reais mudanças prometidas durante as campanhas deste ano, e o mercado continuar absorvendo as mudanças da Reforma Trabalhista, poderemos ter a reinserção de profissionais no mercado das mais variadas formações, talentos que ainda estão procurando trabalho ou em algum tipo de transição na carreira”, afirma Ricardo Basaglia, diretor geral da Michael Page e Page Personnel. 

    Para elaborar a lista, foram entrevistados cerca de 6 mil profissionais em todo o Brasil, para entender quais são suas reais impressões sobre o mercado de trabalho. Os cargos considerados são de média e alta gerência, de nível técnico e suporte à gestão. Confira a relação: 

    Área da Saúde:

    ● Representante/gerente de vendas; 

    ● Gerente de qualidade farmacêutica; 

    ● Bioinformacionista; 

    ● farmacêutico; 

    ● Técnico em telemedicina; 

    Área de Tecnologia: 

    ● Cientista/engenheiro de dados; 

    ● Programador front-end; 

    ● Desenvolvedor Mobile; 

    Área de Marketing Digital: 

    ● Gerente de Marketing de Performance; 

    ● Analista de Search Engine Optimization (SEO); 

    Área de Administração, Negócios e Finanças: 

    ● Business Partner Sênior (RH); 

    ● Especialista tributário; 

    ● Gerente de planejamento Financeiro; 

    ● Consultor de Investimentos; 

    Área Jurídica: 

    ● Advogado Contencioso Legal; 

    ● Advogado de Compliance; 

    ● Advogado digital; 

    Mais diversidade e inclusão 

    Além de todas essas profissões, há outra grata surpresa para o ano de 2019 no mercado de trabalho. De acordo com o LinkedIn, rede social especializada em conexões profissionais, as empresas estão mais suscetíveis a reter talentos com algum tipo de deficiência, sobretudo os neurodiversos (pessoas com todos os tipos de habilidades e padrões cognitivos, desde o TDAH e dislexia, até pessoas no espectro do autismo). Essa mudança se deve a alguns fatores e é proveniente de uma transformação científica e cultural. 

    Antes, acreditava-se que essas patologias deveriam ser tratadas sistematicamente pelos médicos. Hoje, no entanto, a percepção é de que a sociedade deve se adaptar às diferenças. É uma mudança de paradigma da deficiência: antes existia apenas o modelo médico; hoje, os especialistas são unânimes em dizer que as dificuldades também dependem das barreiras sociais. “A neurodiversidade está se tornando uma categoria de diversidade e inclusão no local de trabalho que tem sido amplamente discutida de um modo que não ocorria até mesmo há um ano atrás", disse Ed Thompson, fundador da Uptimize, uma organização que ajuda os empregadores a atrair, contratar e reter talentos neurodiversos.



    Imprimir