Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    25/01/2019

    Com pátio lotado, Detran vai transferir veículos para depósitos de empresas

    Contratos com a Autotran Guincho e a Socil foram publicados nesta sexta-feira

    Em 2017, pátio do Detran tinha mais de nove mil motocicletas ©Fly Drone 
    Com 15 mil veículos no pátio em Campo Grande, o Detran/MS (Departamento Estadual de Trânsito) fez contrato com duas empresa que vão ser responsáveis pelo depósito e guarda de carros e motocicletas apreendidos na Capital.

    De acordo com o diretor-presidente interino do departamento, Francisco Libório Silveira, a medida não vai conseguir limpar o pátio, mas ameniza o problema. Na saída para Rochedo, a sede do Detran tem um cemitério de carros.

    “As empresas credenciadas vão retirar os veículos que já estão aqui. Precisa fazer essa limpeza no pátio”, afirma Libório. Os contratos, publicados na edição de hoje (dia 25) do Diário Oficial do Estado, são com a Autotran Transporte e Serviços Rodoviários Eireli (Autotran Guinchos), localizada na Vila Cidade Morena; e a AL Industrial Ltda (a Sosil), com endereço no Jardim Noroeste.

    Elas vão receber os veículos que ainda circulam, enquanto as sucatas permanecem no pátio do Detran para leilões. Ainda não há data para remoção dos carros para as empresas credenciadas. Segundo o Detran, precisa ser regulamentada a situação do vistoriador, porque o veículo precisa passar por vistoria na entrada e saída do depósito.

    O departamento informa que não terá gastos com as contratações. Segundo a publicação, “pela prestação de serviços de guarda e depósito, a empresa credenciada receberá o valor referente à estadia do veículo, pago diretamente pelo proprietário ou responsável pelo veículo recolhido, não recaindo qualquer ônus ao Detran”.

    Quem tiver o veículo apreendido vai ao departamento, paga os custos e o órgão repassa para as empresas os valores relativos às diárias. A estadia de um dia no pátio custa cerca de R$ 20. A cobrança já é feita no primeiro dia, com limite de, no máximo, 180 dias. “Não vai ter custo para o Detran. A empresa vai receber de acordo com as diárias”, afirma Libório.

    Se o veículo não for retirado dentro de 60 dias, pode ir a leilão e parte do valor arrematado vai pagar os gastos com as diárias. O Detran tem planos de utilizar o credenciamento de empresas para esvaziar pátios em outras cidades, como Dourados. Os contratos têm validade de 24 meses (2 anos). Os depósitos devem ter guarda e vigilância 24 horas, incluindo câmeras.

    Fonte: campograndenews
    por: Aline dos Santos



    Imprimir