Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    26/12/2018

    Showtec 2019: Sucessão familiar é desafio para empresas rurais

    Assunto será abordado durante Showtec 2019, em palestra que traz, ainda, a questão do conflito geracional

    ©DIVULGAÇÃO
    Além de ser uma grande vitrine tecnológica, com a exposição de produtos e maquinários que facilitam o trabalho do produtor rural, o Showtec 2019 é, também, um espaço para discussão de temas importantes e que norteiam a vida de quem está inserido neste segmento. Uma das palestras traz a questão da Sucessão Familiar e o Conflito Geracional. Quais empresas superarão esse desafio? O consultor Francisco Vila traz aos participantes alguns tópicos que podem ajudar na resolução dessa dúvida.

    Vila destaca que, por se tratar de um tema complexo e dinâmico, além de conter alto teor emocional, as famílias geralmente ignoram a questão até que algo mais específico ocorra, podendo ser a morte de alguém da família ou na vizinhança. “Todos nós temos pouca prática na matéria, pois só duas vezes na vida estamos confrontados com a sucessão/herança: quando assumimos algo dos pais e, depois, quando passamos algo (geralmente diferente) para os filhos. Mais um motivo para não ignorar a temática”, comenta.

    O especialista reitera que é importante encarar a sucessão como parte natural da gestão do negócio e da perpetuação da família. “No início não deve ser envolvido um advogado ou um contador, pois o assunto é 70% psicologia familiar, uma esfera na qual advogados não são especializados. O perigo existe na fixação em uma solução que posteriormente gera conflitos, pois não levou em consideração os interesses visíveis ou ocultos de todos os familiares diretamente envolvidos”, orienta.

    Um dos pontos essenciais a serem observados é que o negócio rural pertence aos atuais donos, sejam eles avós, pai, eventualmente mãe e, em alguns casos, tios ou investidores. Foram eles que herdaram ou compraram as terras e desenvolveram a atividade com seu perfil atual. Para Vila, considerando o aumento da longevidade, a garantia de um sustento adequado dos pais deve constar como primeira prioridade. “Tudo isso pode ser calculado para saber quanto vai para os pais, quanto para a educação dos filhos (que termina com 25 anos) e quanto será investido na necessidade de manter a viabilidade do negócio”.

    Outra questão é saber se os filhos têm vocação e interesse para gerenciar a sociedade familiar nos próximos 25 anos, com toda a evolução tecnológica em curso. Além disso, devem ser calculadas as necessidades dos herdeiros. “A lei prevê que no caso da herança a mãe fica com 50% e os filhos, cada um com sua parte dos 50% restantes. Assim, pode ocorrer que os herdeiros que não continuem no negócio da família queiram vender sua parte para criar seus próprios negócios (escritório de prestação de serviços, consultório de médico, investimento numa pizzaria, etc.)”. 

    Para solucionar possíveis conflitos que o assunto possa trazer, o consultor argumenta que o diálogo é a melhor saída e deve ser feito “na hora adequada, no agrupamento certo e evoluindo conforme a motivação e conhecimento sobre o tema, que pode e deve ser delegado para o mais estudioso da família”, indica.

    Co-Gestão

    Francisco Vila defende que a sucessão é apenas uma vertente de uma realidade mais complexa, o que ele chama de Co-Gestão. Em sua palestra, durante o Showtec 2019, o especialista pretende levar aos participantes esse conceito de forma mais aprofundada.

    O palestrante explica que em empresas familiares, há a linha vertical, que envolve pais e filhos, e o novo relacionamento com a equipe, que no futuro, também participará dos resultados. Em seguida, surge a linha horizontal em forma de parcerias de fidelidade com os outros elos da cadeia produtiva (antes e depois da porteira). “O avanço acelerado da tecnologia exige que haja uma maior integração entre o conhecimento (empresas de insumos), a gestão da produção (fazenda) e a orientação dos processos e produtos em função das exigências do mercado (frigoríficos e varejo)”.

    Ainda há o ambiente circular, representado pela perspectiva de Integração entre lavoura, pecuária e floresta. “Esse conceito é o mais complexo e complicado, mas é aquele que, bem gerenciado, produz o maior lucro e, consequentemente, reforça a competitividade e sustentabilidade do negócio”, conclui.

    Sobre o Showtec

    O Showtec é uma feira anual onde são apresentados produtos e serviços ligados ao setor agropecuário, lançamentos, inovações tecnológicas, sistemas de produção, palestras técnicas e resultados de pesquisas que contribuem para a sustentabilidade do segmento. A feira é destinada aos produtores e empreendedores rurais, técnicos agrícolas, acadêmicos, entre outros, e leva informações de forma direta e aplicável.

    O evento é realizado pela Fundação MS e promovido pelo Sistema Famasul (Federação da Agricultura e Pecuária de MS), Sistema OCB/MS (Organização das Cooperativas Brasileiras) e Aprosoja/MS (Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso do Sul), contando com patrocínio do Senar/MS (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) e Sicredi. O Showtec conta, ainda, com o apoio da Prefeitura Municipal de Maracaju, Governo do Estado de Mato Grosso do Sul, Semagro, Fundems, Banco do Brasil, Federação Brasileira de Plantio Direto e Irrigação (Febrapdp),Embrapa, Safras e Mercado, Rede ILPF, Agrisus, BioSul e Camiseta feita de pet.



    Imprimir