Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    05/12/2018

    Centro Internacional de Negócios entrega estudo para empresa interessada no mercado da América Latina

    ©DIVULGAÇÃO 
    O CIN (Centro Internacional de Negócios de Mato Grosso do Sul) do IEL apresentou à empresa EcoPneus o estudo de análise de mercado, que avaliou a comercialização de resíduos de pneus em países da América Latina. 

    Tal análise é fruto do trabalho de mais de dois meses que teve como foco conhecer os mercados no exterior mais propícios para a internacionalização da empresa Ecopneus e o mesmo estudo será usado como base para a tomada de decisão do empresário quanto a sua inserção no exterior.

    O diretor da EcoPneus, Luís Renato Virgile Pedroso, explica que o estudo foi solicitado para poder mensurar a viabilidade econômica da instalação uma unidade da empresa no Paraguai. “Conheci os serviços do CIN durante uma viagem de negócios que fizemos ao Paraguai no ano passado e acredito que esse auxílio é muito importante para a empresa que quer se estruturar em outro país ou estabelecer relações comerciais”, disse.
    ©DIVULGAÇÃO
    Dentre os países da América Latina, México, Chile e Peru foram classificados pela equipe do CIN como os principais em termos de mercado para o produto da EcoPneus. Foi feita a análise comercial de cada um deles, as barreiras, burocracias e os impostos aplicados, para que os resultados possam ser comparados.

    Após a realização do estudo, os dados foram apresentados ao empresário para que as dúvidas pudessem ser sanadas. “Com base nesse estudo eu vou poder tomar decisões importantes relacionadas aos próximos passos da minha empresa. Por isso essas informações devem ser repassadas por uma instituição com credibilidade como o CIN MS”, enfatizou o empresário Luís Renato.

    Coordenadora do CIN, Nathalia Alves destaca que o objetivo é fazer a inserção segura das empresas no exterior. “Para isso, o Centro Internacional de Negócios do IEL oferece ferramentas estratégicas para que o empresário tome decisões de forma segura e consciente”, ressaltou.

    ASSECOM


    Imprimir