Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    11/10/2018

    CCR MSVia informa|SAU completa 4 anos salvando vidas na BR-163/MS

    ©Divulgação
    11 de outubro de 2014. Esse foi o dia em que o Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU) da CCR MSVia começou a operar na BR-163/MS, maior e principal rodovia de Mato Grosso do Sul. A prova de que uma rodovia de tamanha importância necessitava do serviço veio pouco tempo após o início da operação, às 0h9m, ou seja, 9 minutos depois.

    A primeira ocorrência registrada pelo Disque CCR MSVia foi de uma pane mecânica, em Nova Alvorada do Sul. A partir daí o SAU passou a fazer a diferença na vida dos usuários da BR-163/MS.

    De lá para cá já foram mais de 530 mil ocorrências atendidas em pouco mais de 1.460 dias. A média diária ultrapassa 360 eventos.

    Mas para alcançar tal excelência no atendimento não é um caminho fácil. São cursos, workshops, simulados, capacitações e muita dedicação. “Logo que a CCR assumiu a concessão, já começamos o processo seletivo dos mais de 500 colaboradores que iriam atuar no SAU. Motoristas, enfermeiros, médicos, socorristas, enfim, todas as pessoas que integrariam as equipes das 17 bases operacionais ao longo dos 845,4 quilômetros de rodovia”, lembra o gestor de Atendimento, Fausto Camilotti. “Para manter o alto nível de atendimento é preciso estar constantemente aprendendo. No SAU, as equipes de Atendimento Pré-Hospitalar (APH), composta por quase 250 profissionais, dos quais 35 são médicos, fazem semanalmente, simulações de situações de acidentes de forma a manterem a acurácia quando em um acidente real”, explica o gestor.

    E isso é refletido nos números. Até setembro de 2018, a redução no número de óbitos na rodovia foi de 32%. Da mesma forma a quantidade de acidentes fatais: redução de 43%.

    “É sabido que a velocidade do atendimento dos acidentes é determinante para salvar vidas. Por isso, é fundamental que, muito mais do que somente ser rápido, é preciso ser eficiente. Não basta chegar logo no local e demorar para realizar os procedimentos”.

    E disso Camilotti sabe bem. O engenheiro veio de São Paulo antes do início da operação do SAU para ajudar na implantação do serviço na BR-163/MS. Há quase 20 anos atuando no Grupo CCR, ele conta que as estruturas instaladas em Mato Grosso do Sul são o que há de mais moderno em termos de monitoramento, referindo-se ao Centro de Controle Operacional (CCO) utilizado pela Concessionária.

    “Hoje temos 100% da rodovia monitorada 24 horas por dia, por mais de 470 câmeras de CFTV, instaladas a cada 2 quilômetros. Elas contam com um sistema de detecção automática de incidentes, como objetos caídos na pista, pedestres na via, carros parados no acostamento, veículos trafegando na contramão, entre outros. Tudo isso exibido no vídeo wall do CCO, composto por 30 monitores de 55 polegadas cada, distribuídos em três linhas de 10 colunas com uma resolução que chega a 19.200 x 3.240 pixels, suportando a exibição de até 160 câmeras simultaneamente, sem perda de qualidade e travamentos”, destaca.

    Para contar com toda essa infraestrutura, a Concessionária já investiu mais de R$ 115 milhões desde outubro de 2014. Fazendo uma média, são aproximadamente R$ 2,5 milhões por mês para manter todo o serviço funcionando integralmente.

    “Todo mundo já sabe, mas é bom lembrar que todos esses serviços são oferecidos gratuitamente aos usuários da rodovia como contrapartida do pedágio. Se for colocar na ponta do lápis, o valor que o motorista pega para trafegar pela via é irrisório comparado ao que ele despenderia caso o veículo tivesse algum problema e ele precisasse de auxílio”, detalha Camilotti.

    Como exemplo, ele cita os onze partos já realizados pelas equipes médicas do SAU da CCR MSVia em viaturas da Concessionária. “São ações como essas que fazem tudo valer a pena. Nos orgulhamos de pertencer ao Mato Grosso do Sul e trabalhamos para continuar oferecendo os melhores serviços aos usuários da BR-163/MS”.

    ASSECOM


    Imprimir