Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    10/09/2018

    Suicídio será tema de debates na Assembleia Legislativa na quarta-feira (12)

    ©Divulgação
    A deputada estadual Mara Caseiro (PSDB) comanda na próxima quarta-feira (12) audiência pública com o tema "Setembro Amarelo - mês de prevenção ao suicídio". Os debates acontecem a partir das 14h, no plenário da Assembleia Legislativa.

    Mara é autora da lei 4.777/2015, que instituiu o Setembro Amarelo de Prevenção ao Suicídio no Estado. A audiência tem como objetivo principal falar sobre o tema pela perspectiva da prevenção e do apoio àqueles que passam por momentos difíceis, e que enxergam a morte como a única saída para seus problemas.

    No Brasil, essa já é a quarta maior causa de morte entre homens jovens. Em Mato Grosso do Sul os números são ainda mais alarmantes: enquanto a taxa nacional é de 8,7 a cada 100 mil habitantes, no Estado é de 13,3.

    Em 2017, o Corpo de Bombeiros de Campo Grande atendeu 925 tentativas de suicídio. Pelo menos metade desse total era de crianças e jovens entre 10 e 19 anos. Um dado ainda mais preocupante é que, a cada caso registrado, cinco são subnotificados.

    "Estamos em setembro, momento de reflexão para um problema preocupante que é o suicídio. Só podemos vencer com o rompimento do silêncio. A vítima calada e não vê meios de pedir ajuda. Cabe aos amigos e familiares perceberem os sintomas. É um tema que precisamos debater, tratar, para buscar evitar que muitos percam a vida", comentou a parlamentar.

    Especialistas e profissionais de saúde foram convidados para a audiência, entre eles o gestor do Centro de Apoio Biopsicossocial do Corpo de Bombeiros e coordenador do Curso de Prevenção do Hospital Universitário, capelão Edilson dos Reis; a musicoterapeuta Mônica Deiss Zimpel, a gestora do Núcleo de Psicologia Educacional da SED (Secretaria de Estado de Educação) e a superintendente de atenção à saúde da SES (Secretaria de Estado de Educação), Mariana Croda.

    Também foram convidados psiquiatras, reitores, diretores de hospitais, técnicos de prefeituras do interior do Estado e do CAPS (Centro de Atendimento Psicossocial). 

    ASSECOM


    Imprimir