Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    03/07/2018

    Motoristas consideram abusivo o aumento do preço do parquímetro

    A partir de hoje, hora do estacionamento passa a custar R$ 2,40

    Aumento foi de R$ 0,40 pela hora estacionada no centro ©Álvaro Rezende/CE
    Após o aumento de R$ 0,40 no valor da hora do estacionamento do Centro de Campo Grande, administrado pela Flexpark, através dos parquímetros, o Portal Correio do Estado foi ouvir a opinião dos motoristas que usam o serviço, e a maioria achou abusivo o reajuste.

    Para a servidora pública aposentada Nanci Borges, de 58 anos, o parquímetro não deveria nem existir. “Abusivo. Já pagamos muitos impostos e ainda tem essa. Não deveria nem existir o parquímetro. Se acontece algo com o nosso carro, ninguém é responsável”, afirma indignada.

    A partir de hoje (3), a empresa concessionária de serviço público de estacionamento rotativo em Campo Grande passa a cobrar R$ 2,40 por hora de estacionamento no Centro. O valor anterior era de R$ 2, mantido por decreto do prefeito Marcos Trad (PSD). Decisão judicial acatou pedido da empresa para o aumento.

    O técnico em eletrônica Ney Maia, de 42 anos, acredita que com tantos impostos pagos pela população, um aumento na cobrança da hora do estacionamento no centro é abusivo. “Nem existir deveria. Acho abusivo e injusto. Tem tanto imposto que pagamos, ai quando chega em via pública tem mais esse ônus. Ainda mais um aumento desse de 20%. Mais que a inflação, desproporcional”, disse.

    Trabalhando no trânsito todos os dias, o motorista do aplicativo Uber Luis Carlos Pontes, de 48 anos, acredita que o parquímetro deva existir, mas regulamentado. “Acho abusivo. Deve existir sim o parquímetro, mas tem que ser regulamentado. Não nesses valores. Um aumento de 20% não dá”, completou.

    A única entrevistada da reportagem que concordou com o valor cobrado pela Flexpark foi a estudante Viviane Yoshihara, de 21 anos. Segundo ela, as outras opções de estacionamento particular acabam saindo mais caras que o parquímetro.

    “Acho válido, porque se for ver, o estacionamento particular é bem mais caro que isso. Não acho abusivo”, comentou a estudante.

    Fonte: CE
    Por: LEANDRO ABREU


    Imprimir