Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    13/06/2018

    Motorista é amarrado, agredido e mantido refém por 24 horas durante roubo

    Vítima foi assaltada na madrugada de ontem, mas conseguiu fugir

    Caso foi encaminhado à Depac nesta madrugada ©Divulgação
    Motorista de aplicativo viveu momentos de tensão ao ser mantido refém por quase 24 horas durante roubo de veículo em Campo Grande. Os criminosos o deixaram preso da madrugada de ontem até a o final da noite, tanto que ele conseguiu denunciar os fatos só nesta madrugada. Ao longo deste período, ficou sem comer ou beber água, sendo ameaçado de morte e agredido com socos e chutes. A suspeita é de que o veículo dele, modelo Voyage, tenha sido levado para a fronteira. Ninguém foi preso.

    Segundo boletim de ocorrência, o homem de 37 anos relatou que na madrugada de ontem, por volta das 3 horas, seguia com o automóvel pela Avenida Presidente Ernesto Geisel, quando uma mulher visualizou o celular com aplicativo no interior do automóvel e perguntou se ele fazia transporte de passageiros. Ele respondeu que sim e foi questionado sobre o valor de uma corrida até nas proximidades do Jardim do Pênfigo.

    Depois de acertar os preços, a mulher e mais dois homens embarcaram. Ela e um dos autores ficaram no banco traseiro, enquanto outro foi no banco dianteiro. O grupo saiu na direção da Avenida Gunter Hans e cerca de duas quadras depois, o trio anunciou o roubo. O homem que estava atrás colocou uma arma de fogo nas costas do homem e ordenou que parasse o carro. Em seguida, o colocaram no porta-malas com os pés e as mãos amarrados, e saíram.

    Eles transitaram com o veículo por aproximadamente 40 minutos. Em seguida, pararam por mais 20 minutos, abriram o porta-malas e obrigaram que a vítima descesse. O ladrão que havia anunciado o assalto ficou no local e levou o motorista para uma mata, enquanto os outros foram embora com o Voyage. A vítima relatou que ficou amarrada e, depois que amanheceu, era obrigada a não olhar para o bandido que a vigiava, pois caso contrário seria morta a tiros.

    O homem passou o dia todo privado de se alimentar, sendo agredido constantemente. Já de noite, percebeu que o criminoso saiu uma vez e demorou para voltar. Na segunda vez que o autor saiu, percebendo que demoraria novamente, a vítima conseguiu fugir no sentido oposto, entre matas e plantações. Depois de ouvir o som de carros, se aproximou da rodovia e pediu ajuda em alguns barracos às margens da BR-060, já por volta da meia-noite. Ele foi levado para a Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário (Depac) da Vila Piratininga e registrou a ocorrência.

    Fonte: CE
    Por: RENAN NUCCI


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS