Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    14/01/2018

    Waack quebra silêncio e diz que é alvo de 'canalhas do linchamento'

    Jornalista classificou episódio do vazamento como "oportunismo" de jovens que "roubaram a imagem da Globo"

    © Reprodução/Instagram
    O jornal Folha de S. Paulo publicou neste domingo (14) um artigo assinado pelo jornalista William Waack, demitido da Rede Globo após fazer uma declaração racista.

    No texto, o ex-apresentador do Jornal da Globo afirma que fez uma "piada idiota" se tornou alvo de "canalhas do linchamento", ao comentar a repercussão do caso. Ele afirma ter lutado contra a intolerância durante toda a carreira e diz que não é racista.

    "Se os rapazes que roubaram a imagem da Globo e a vazaram na internet tivessem me abordado, naquela noite de 8 de novembro de 2016, eu teria dito a eles a mesma coisa que direi agora: "Aquilo foi uma piada — idiota, como disse meu amigo Gil Moura —, sem a menor intenção racista, dita em tom de brincadeira, num momento particular. Desculpem-me pela ofensa; não era minha intenção ofender qualquer pessoa, e aqui estendo sinceramente minha mão.", começa o texto.

    "Por ter vivido e trabalhado durante 21 anos fora do Brasil, gosto de afirmar que não conheço outro povo tão irreverente e brincalhão como o brasileiro. É essa parte do nosso caráter nacional que os canalhas do linchamento —nas palavras, nesta Folha, do filósofo Luiz Felipe Pondé— querem nos tirar", afirma outro trecho.

    Waack agradece o "imenso apoio" que recebeu após o caso e afirma que "não haverá gritaria organizada e oportunismo covarde" sua história.

    Fonte: NAOM


    Imprimir