Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    30/01/2018

    Por ciúmes, 'ficante' atirou na cabeça de garota no segundo encontro

    Menor de idade corre risco de morrer.

    © Divulgação
    Investigações da Polícia Civil apontaram que Adalmir Lopes Torres, de 23 anos, não tinha um relacionamento com a adolescente de 16 anos, atingida com um tiro na cabeça após discussão com ele na noite da última quinta-feira (25), em Campo Grande. “No dia em que ele atirou nela por ciúmes, era a segunda vez que eles se encontravam”, explicou a delegada Maira Pacheco, responsável pelo caso.
    Delegada Maira Pacheco (Foto: Henrique Kawaminami) 
    De acordo com a delegada a adolescente está internada em estado grave na CTI (Centro de Terapia Intensiva) da Santa Casa e ainda corre risco de morrer. Caso se recupere, a menina pode ter danos neurológicos em decorrência do trauma no crânio.

    As investigações apontaram que Adalmir é casado e foi apresentado a menor de idade neste mês por um amigo em comum. No primeiro encontro eles teriam ficado e desde então, mantinham contato por WhatsApp. No dia do crime, os dois marcaram de se encontrar e o pai da adolescente foi informado de que ela viria a Campo Grande para encontrar o suspeito. A esposa do suspeito soube do caso extraconjugal somente quando o crime foi divulgado pela imprensa.

    Em depoimento, o suspeito disse que estava com a vítima na casa de um amigo e saiu para comprar gelo, quando voltou viu a garota abraçada com um rapaz. “Nesse momento ele ficou com ciúmes, foi em casa, pegou o revólver, e quando voltou chamou ela pra conversar”, explica a delegada.

    Durante a discussão o autor afirma que a menina deu um tapa em seu rosto e por isso ele teria atirado, porém a versão é contestada. “Nós ouvimos três testemunhas e todas negam que esse tapa tenha sido dado”, lembra a investigadora.

    Adalmir já tem passagens pela polícia por um homicídio em 2012 e outro no ano de 2013. Ele foi preso na noite desta sexta-feira (27) após denúncia anônima.

    Fonte: Midiamax
    Por: Clayton Neves e Ana Paula Chuva


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS