Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    23/01/2018

    Katiuce teria levado 18 facadas do namorado ao contar que saia com ex-marido

    Suspeito continua foragido

    © Reprodução
    Katiusce Arguelho do Santos de 31 anos teria sido assassinada após uma briga com o atual namorado de 29 anos, na noite desta segunda-feira (22), no Jardim São Conrado, em Campo Grande, com 18 facadas.

    Diferente do que teria sido noticiado antes, a vítima- que é mãe de seis crianças- teria sido assassinada pelo atual namorado de 29 anos, segundo informações da polícia. O casal estava junto há dois anos e na noite desta segunda (22) houve uma discussão entre eles, após Katiusce dizer ao companheiro que estaria saindo com o ex-marido.

    Informações são de que após a revelação houve a discussão e o suspeito de posse de uma faca desferiu 18 golpes contra Katiuscia, sendo seis no braço direito, nove no braço esquerdo, dois no pescoço e um nas costas.

    O corpo de Katiuscia foi encontrado por vizinhos na cozinha. Familiares de Katiuscia acreditam que o crime pode ter sido cometido entre as 16h e 17h. Segundo um parente da vítima, Katiuscia estava separada do marido, porém ela sempre ia até a casa do ex, que está desempregado, para ajudá-lo, fato que não agradava o namorado atual.

    Já informações repassadas pela irmã de Katiusce, a copeira e o namorado estavam separados há alguns meses e nesta segunda (22), ela iria até a casa dele para tirar foto de uma geladeira para colocar à venda, já que o suspeito pelo crime estaria desempregado.

    Ainda segundo informações, o filho de Katiusce de 11 anos estaria na casa do suspeito assistindo televisão, momento em que a vítima teria ligado avisando que estava a caminho da residência.

    Momento em que, o homem teria dado um celular para a criança ir brincar na rua. Ao chegar em seguida da saída do filho, Katiusce acabou sendo morta com 18 facadas pelo namorado, que fugiu em seguida. O caso será investigado pela Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) que tenta localizar o supespeito, que está foragido.

    Fonte: Midiamax
    Por: Thatiana Melo e Arlindo Florentino


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS