Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    16/10/2018

    TRÊS LAGOAS| Saúde do município continua usando bomba de fumacê para conter proliferação do Aedes aegypti

    Borrifação se faz necessária onde foi constatado maior número de casos notificados de dengue e elevados índices de infestação do mosquito

    ©Divulgação
    A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Três Lagoas, por meio das equipes do Setor de Endemias e Controle de Vetores da Diretoria de Vigilância em Saúde e Saneamento, vem intensificando ações de controle da proliferação do mosquito Aedes aegypti com aplicação de inseticida em várias regiões urbanas, o conhecido bloqueio químico.

    Esta ação, reiniciada em 22 de setembro, no Bairro Interlagos e parte do Bairro Lapa e, posteriormente, no Bairro Santos Dumont e parte do Bairro Santa Rita, nesta semana, deverá partir para o condomínio “Portal das Águas”, localizado no final da Avenida Capitão Olyntho Mancini.

    “São nove quadras desse condomínio que deverão receber o bloqueio químico, por meio de equipamento pesado e acoplado sobre um veículo da SMS”, explicou o coordenador do Setor de Promoção da Saúde e também responsável pelas ações de bloqueio químico, Waldir José de Souza.

    Como ressaltou Waldir, na aplicação do inseticida contra os mosquitos, a SMS de Três Lagoas segue as Diretrizes Nacionais para a Prevenção e Controle de Epidemias de Dengue do Ministério da Saúde, usando o sistema de borrifação do produto Malathon, misturado com água e não inflamável, pelo sistema de bomba Ultra Baixo Volume (UBV), popularmente conhecido pela população como “fumacê”.

    A borrifação deverá ser feita no período da manhã, das 5h às 8h e no final da tarde e à noite, no horário das 18h às 22h, seguindo as recomendações do Ministério da Saúde.

    Como consta nas Diretrizes do Ministério da Saúde para esta ação específica, a aplicação do fumacê será em quatro ciclos consecutivos, nos mesmos horários e locais, para obtermos mais resultados na eliminação do mosquito Aedes aegypti, vetor da Dengue, Zica vírus e outras doenças.

    “A aplicação do produto não possui efeito residual. Isso quer dizer que o efeito do inseticida não permanece por muito tempo. Por isso, é importante que as pessoas abram as portas e janelas de suas casas para que nosso trabalho obtenha resultados e elimine as fêmeas dos mosquitos adultos, que costumam entrar nas residências nesses horários”, recomendou Waldir.

    ORIENTAÇÕES IMPORTANTES

    O produto, usado pela Vigilância em Saúde e Saneamento da SMS de Três Lagoas não oferece perigo à saúde das pessoas, mas é necessário seguir orientações importantes para a obtenção de melhores resultados na eliminação dos mosquitos e também para evitar algum dano que possa ocorrer à saúde das pessoas e animais de estimação.

    É importante também cobrir todos os alimentos e não deixá-los expostos, pelo menos durante a borrifação até uma hora e meia depois. Cobrir também gaiolas de passarinhos de estimação e aquários de peixes ornamentais.

    No entanto, se a pessoa “apresentar qualquer tipo de reação alérgica ao produto deve procurar imediatamente o médico na Unidade Básica de Saúde mais próxima da sua residência”, recomendou o coordenador Alcides.

    MEDIDA EMERGENCIAL

    A aplicação do “fumacê” é uma medida emergencial de conter o avanço da proliferação do mosquito Aedes aegypti, porque o ideal e o normal é que a população cuide constantemente nas ações de localizar e eliminar todo e qualquer criadouro nas suas casas e quintais, como têm orientado as equipes de Vigilância em Saúde e Saneamento da SMS

    Segundo informações da SMS, a medida se tornou necessária nesses locais porque aumentaram os casos notificados de dengue nessas localidades.

    Os critérios para a escolha dos Bairros que deverão receber o bloqueio químico “levam em consideração os casos notificados de dengue, o resultado da captura das armadilhas do MI- Aedes aegypti (Monitoramento Inteligente) e os relatórios do LIRA (Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes)”, explicou Waldir.

    Usa-se o fumacê como “último recurso de reduzir a população de mosquitos alados, pois o produto não mata as larvas, fica no ar por pouco mais de uma hora e meia e elimina apenas os mosquitos que estão na área de alcance do inseticida”, completou o coordenador de Promoção da Saúde.

    ASSECOM


    Imprimir