Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    21/12/2017

    TRÊS LAGOAS| Gestores lamentam comercialização de cestas doadas pelo Município

    Beneficiários usam redes sociais para venda de alimentos 

    ©Divulgação
    As redes sociais estão sendo usadas para a comercialização das cestas natalinas doadas pela Prefeitura de Três Lagoas. Somente nesta quarta-feira, momentos depois da entrega, alguns casos já foram descobertos. Uma postagem em uma página de compra e venda oferece a cesta por R$ 180 reais.
    © Reprodução
    Conforme a Secretária de Assistência Social - SAS, os casos estão sendo analisados, visitas aos beneficiários estão ocorrendo para uma nova análise da dinâmica da família para verificar se houve omissão de informações no cadastro único. Caso haja irregularidades, o benefício será suspenso ou cancelado. “Estamos de olho para verificar a infração. As providências estão sendo tomadas para evitar o desvio de finalidade”, disse Vera Helena Arsioli.

    O Prefeito Angelo Guerreiro lembrou que os recursos para aquisição das cestas, um número histórico de doação de alimentos realizada pelo Município, foi graças à economia com diárias que ultrapassou os 50% em relação ao ano anterior, além da redução de outros gastos considerados desnecessários e é inadmissível que os fins sejam outros. “Pegar a cesta destinada a quem está precisando de alimentos e vender é no mínimo um desrespeito ao trabalho de muitos, aos doadores, e um pouco caso a quem precisa de alimento na sua mesa e não tem condições”, disse o Prefeito.

    As barbaridades começaram ainda durante a entrega das cestas na tarde desta quarta-feira no Ginásio Cacilda Acre Rocha, quando alguns elementos, aproveitando da distração, principalmente dos idosos, roubaram quatro cestas básicas, obrigando a organização a acionar a polícia militar. Outro detalhe lembrado pela diretora de Apoio Técnico à Gestão Municipal da SAS, Lidiane Ferreira, é que as famílias cadastradas no CAD-Único e beneficiários dos programas sociais têm direito a receber o Kit-Natalidade destinado aos bebês. Todos os beneficiários cadastrados nos Cras têm ciência dos grupos e do direito ao Kit.

    Fonte: ASSECOM


    Imprimir