CAMPO GRANDE (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    04/03/2019

    Bolsonaro diz que seguirá ouvindo sugestões do filho

    Após críticas sobre interferência de Carlos, presidente afirma que outras pessoas não conseguirão distanciar os dois

    ©Reuters
    O presidente Jair Bolsonaro (PSL) saiu em defesa de seu filho Carlos na noite deste domingo (3) de Carnaval, afirmando que há pessoas que querem afastá-los, mas "não conseguirão".

    Junto com a mensagem, o presidente publicou uma foto em que Carlos o ampara em um corredor de hospital.

    "Algumas pessoas foram muito importantes em minha campanha. Porém, uma se destacou à frente das mídias sociais, com sugestões e conteúdos: Carlos Bolsonaro, meu filho. Não por acaso muitos, que nada ou nunca fizeram para o Brasil, querem afastá-lo de mim", escreveu o presidente.

    "Não conseguirão: estando ou não em Brasília continuarei ouvindo suas sugestões, não por ser um filho que criei, mas por ser também alguém que aprendi a admirar e respeitar pelo seu trabalho e dedicação", concluiu.

    A influência do filho, que é vereador no Rio pelo PSC, tem sido motivo de insatisfação de alguns militares ligados ao governo e tem gerado críticas de políticos da base.

    Em um dos episódios mais ruidosos, em meio à crise das candidatas-laranjas do PSL reveladas pelo Folha de S.Paulo, Carlos divulgou em seu perfil no Twitter uma gravação de seu pai indicando que o presidente não havia conversado com o então ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno.

    Bebianno acabou sendo demitido. O ex-ministro, que nega irregularidades na campanha eleitoral, era o responsável por liberar verbas do partido para candidatos.

    Na última quinta (28), em um café da manhã com jornalistas convidados pelo Planalto, o presidente disse que nenhum filho seu manda no governo e que declarações públicas de Carlos que possam ter relação com o governo agora passam por sua aprovação. "Tudo passou a ter um filtro da minha parte", afirmou Bolsonaro.

    Logo após o café da manhã, Carlos reagiu, por meio do Twitter, e responsabilizou a imprensa pelas declarações do pai.

    "Como vocês [da imprensa] são baixos! Nenhum dos filhos mandam no governo mesmo e qualquer um que converse com o presidente o deve e tem de ser filtrado. Quanto a mira de vocês em mim. Eu e Jair Bolsonaro sabemos as intenções! Abraços de nós dois pra vocês!", escreveu Carlos.


    NAOM - BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) 


    Imprimir