Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    22/01/2019

    Brasil ficará em acordo sobre o clima, afirma Bolsonaro

    O presidente já chegou a dizer que o país poderia deixar o acordo climático fechado pela ONU em 2015, a exemplo dos EUA

    ©REUTERS / Ueslei Marcelino (Foto de arquivo) 
    O Brasil não vai deixar o Acordo de Paris sobre o clima, disse o presidente Jair Bolsonaro em encontro com CEOs em Davos nesta terça (22) segundo um dos participantes.

    Ele já havia feito um aceno nessa direção ao afirmar, na plenária do Fórum Econômico Mundial, que o país pretende estar sintonizado com o mundo na busca da diminuição de CO2 e na preservação ambiental.

    Segundo o executivo presente na reunião com o presidente e com o ministro Paulo Guedes (Economia), Bolsonaro foi questionado pelos representantes das multinacionais sobre quais eram seus planos em relação ao ambiente e à questão indígena.

    O presidente já chegou a dizer que o país poderia deixar o acordo climático fechado pela ONU em 2015, a exemplo dos EUA. Também já afirmou que era algo a se pensar.

    Dois dias antes do segundo turno da eleição, Bolsonaro afirmou que, se fosse eleito presidente, manteria o Brasil no Acordo de Paris sobre o clima, desde que a soberania plena da Amazônia fosse preservada.

    "Eu perguntaria a vocês: nesse Acordo de Paris, nós poderíamos correr o risco de abrir mão da nossa Amazônia? Vamos então botar no papel que não está em jogo o triplo A e nem a independência de nenhuma terra indígena que eu mantenho o Acordo de Paris", disse na época. A região chamada por ele de "triplo A" engloba os Andes, o oceano Atlântico e a Amazônia.

    Em Davos, ele esclareceu sua posição, seguindo o que dissera seu ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. Informou aos empresários e executivos estrangeiros que seguirá no acordo, mas que espera contrapartida pelo fato de o país ser um dos que menos poluem o planeta.

    Clima é um dos principais trilhos da agenda em Davos neste ano, e os participantes mostram preocupação com a ação humana no aquecimento do planeta.

    Nesta terça, o príncipe William entrevistou o naturalista David Attenbourgh, 92, a esse respeito na plenária do Fórum. "Somos agora tão numerosos, tão poderosos, tão dominadores"¦ que podemos realmente exterminar o ecossistema inteiro sem nem perceber que estamos fazendo isso", disse o conhecido narrador de programas de história natural da rede BBC. 

    NAOM-Com informações da Folhapress.
    Por: LUCIANA COELHO, LUCAS NEVES E MARIA CRISTINA FRIAS 



    Imprimir