Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    20/11/2018

    Sem convencer, seleção fecha ano com 100% de aproveitamento pós-copa

    Um dos motivos da falta de criação do time pode ser a saída de Neymar, logo aos sete minutos

    ©REUTERS / Andrew Boyers 
    Sem convencer novamente e apresentando erros na transição ofensiva e na criação das jogadas, a seleção fez o suficiente para vencer Camarões por 1 a 0, nesta terça-feira (20), no Stadium MK, em Milton Keynes, cerca de 87 quilômetros de Londres. Assim, encerrou o ano com 100% de aproveitamento no período pós-copa.

    Antes do triunfo diante dos africanos, venceu Estados Unidos (2 a 0), El Salvador (5 a 0), Arábia Saudita (2 a 0), Argentina (1 a 0) e Uruguai (1 a 0). Com exceção dos uruguaios e argentinos, que ocupam a sexta e a 12ª colocação no ranking da Fifa, respectivamente, os outros adversários estão em posições bem inferiores, como os sauditas, atualmente em 72º lugar.

    Nesta terça, o time apresentou outra vez erros no meio-campo, na transição ofensiva e na criação das jogadas. Um dos motivos da falta de criação do time pode ser a saída de Neymar, logo aos sete minutos. Ele sentiu uma lesão na região da virilha direita e foi substituído por Richarlison. 

    Com estilo diferente do camisa 10, que costuma sair do lado esquerdo e cair para o meio, o atacante do Everton foi o destaque positivo do amistoso. Procurou o jogo, tomou a iniciativa e o esforço foi premiado com um gol de cabeça, aos 45 minutos. Assim, igualou Neymar como o goleador do Brasil no período pós-copa, com três gols.

    Se Richarlison ganhou pontos com Tite, o volante Paulinho, que atuou pela primeira vez pela seleção após o Mundial da Rússia, deixou a desejar. Ele foi utilizado pelo lado esquerdo do meio-campo. Com a entrada do jogador do Guangzhou Evergrande, da China, Arthur jogou recuado à frente dos zagueiros e Allan, do Napoli, pelo lado direito. Foi a primeira vez desde que assumiu o comando da seleção que Tite iniciou o jogo sem um volante com características mais defensivas. Antes, utilizou Casemiro, cortado por lesão, Fernandinho, que ainda não foi chamado desde a derrota para a Bélgica, e Walace, que começou na reserva e entrou no segundo tempo. 

    Sem um volante de ofício, os laterais Danilo e Alex Sandro apoiaram pouco e a equipe apresentou um futebol burocrático. A seleção ainda deu espaço para o contra-ataque, mas o rival assustou apenas uma vez durante todo o jogo. Neste período pós-copa, Tite convocou 40 jogadores, mas apenas 32 entraram em campo.

    Fagner, Marcelo e Pedro fazem parte desta lista, mas foram cortados por lesão e não jogaram. Já Rafinha e Malcom ficaram como opções. A lista ainda tem 3 goleiros sub-20 Hugo, Phelipe e Gabriel.Dos convocados para o novo ciclo, os destaques foram Arthur e Richarlison, que certamente estarão na Copa América-2019, que será no Brasil.

    BRASIL

    Ederson; Danilo, Marquinhos, Pablo, Alex Sandro; Arthur, Allan, Paulinho (Walace); Neymar (Richarlison), Firmino (Gabriel Jesus), Willian (Douglas Costa). T.: Tite

    CAMARÕES

    Onana (Ondoa); Fuchs, Yaya, Kana Biyik, Bong; Mandjeck, Kunde (Olinga), Ekambi; Choupo-Moting (N'Jie), Djoum, Bahoken (Bassogog). T.: Seedorf

    Local: Stadium MK, em Milton Keynes (Reino Unido)

    Juiz: Michael Oliver (Inglaterra)

    Público: 26.669

    Gol: Richarlison, aos 45min do primeiro tempo 


    NAOM-Com informações da Folhapress.


    Imprimir