Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    30/10/2018

    'O PSDB perdeu a sintonia com a realidade', afirma Dória

    Governador eleito do Estado de São Paulo ainda reafirmou apoio a Jair Bolsonaro

    ©REUTERS
    Um dia após ser eleito governador de São Paulo e se tornar homem forte do PSDB, o ex-prefeito João Dória fez duras críticas ao seu partido, defendeu mudanças antecipadas na direção nacional da sigla, hoje comandada por Geraldo Alckmin, e não descartou deixar o mandato antes do final para disputar a Presidência da República, em 2022.

    Quase ninguém da executiva nacional do PSDB tem mandato. O sr. acha que ela deve mudar?

    Acho. Não há nenhum desrespeito a quem não tem voto. Mas todo respeito para quem tem voto. A sintonia hoje na política é com a população que votou, que representou a sociedade brasileira. Então, os quem têm voto têm de estar representados majoritariamente na executiva nacional.

    O mandato da atual executiva termina só no fim de 2019. O sr. acha que deve ser abreviado?

    Essa é uma decisão da executiva que nós não temos de impor. Mas parece razoável também que, dado o resultado das urnas, que isso possa ser antecipado de uma maneira consensual, equilibrada, sem transformar isso num compromisso bélico, de confronto.

    O sr. disse no domingo (dia 28) que 'o meu PSDB tem lado'. Qual lado?

    É o lado que precisa existir. Sou uma pessoa que sempre tive lado, que na tomada de decisão nunca disse 'espera aí, vamos ver, quem sabe, veja bem'. E, neste momento, o meu lado é o Brasil. E quem está defendendo o Brasil neste momento é o candidato eleito por 57 milhões de eleitores, Jair Bolsonaro. Então, nossa decisão aqui em São Paulo é apoiá-lo. Não estamos pedindo nada em troca, nenhum ministério, controle de estatal, nem vamos pedir. Não é este o caminho. Essa é a velha política.

    O sr. disse que estava aposentando a velha política. Geraldo Alckmin é a velha política?

    Não. Eu não me referi a ninguém nominalmente. Nem no PSDB nem fora do PSDB. Apenas disse que quero representar a nova política e não a velha política.

    O PSDB teve o pior desempenho eleitoral da sua história. Por que chegou a essa situação? Qual autocrítica o sr. faz?

    Porque ele perdeu a sintonia com a realidade do Brasil, ficou distante. E essa reaproximação se faz pelo voto, pela campanha, pela democracia, pelo contato com o povo, na rua, no chão de fábrica.

    Perdeu por quê?

    Porque não fez, não se posicionou. Perdeu o chão de fábrica, ficou no escritório. Tem de descer para o chão de fábrica, conversar. São essas pessoas que, nessa analogia, representam o povo. Esse é o benefício da campanha eleitoral, falar com quem decide. Isso o PSDB, salvo exceções, perdeu nessa eleição.

    Mas o PSDB foi o maior vitorioso nas eleições de 2016. Essa decadência não está atrelada às denúncias de corrupção contra lideranças tucanas?

    Também. Não foi apenas isso. Em 2016, a grande vitória do PSDB foi a nossa vitória aqui em São Paulo em primeiro turno. Ela foi a grande influenciadora das eleições municipais em segundo turno na maioria das capitais e cidades brasileiras. Agora, há que se reconhecer que situações que envolveram nomes do PSDB pós esse período contribuíram, sim, para um desgaste do partido.

    O sr. teve agora menos votos na capital do que em 2016 e ganhou no interior. Por que perdeu onde foi gestor?

    Não foi pela gestão. Foi pelo fato de ter deixado a Prefeitura. Aliás, foi a alegação de todos, inclusive do meu adversário, que nunca disse que fui um mau gestor. Não foi o fato de termos errado, cometido equívocos sucessivos, ou termos feito ou admitido falcatruas, ou situações que pudessem manchar nossa reputação.

    Pela força do Estado e por ser o maior colégio eleitoral, já cogitam que o sr. possa disputar a sucessão presidencial em 2022.

    Não é hora de falar sobre isso.

    Mas o sr. promete ficar no cargo até dezembro de 2022?

    Não é hora de falar nisso. Temos de falar de propostas, compor o governo, falar de gestão. Acabamos de eleger Jair Bolsonaro, todo apoio a ele. Vamos fazer o foco nisso.

    Não há negativa então?

    Nem há negativa nem afirmativa. Vamos fazer foco no que é importante. O importante agora é apoiar o Bolsonaro para que ele possa fazer um bom governo. Proteger o Brasil com mais empregos, mais renda. Não temos nem de pensar em 2022 e nem sequer nas eleições de 2020.

    NAOM-As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.


    Imprimir