Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    18/10/2018

    Consumidores brasileiros vão aproveitar a Black Friday para antecipar compras de fim de ano

    Apesar disso, há cautela por causa do cenário político e econômico 

    ©DR
    Os consumidores brasileiros estão mais cautelosos neste ano por causa das incertezas no cenário político e na economia. Apesar disso, pretendem utilizar a Black Friday, que cairá este ano no dia 23 de novembro, para antecipar compras de fim de ano. 

    É o que indica uma pesquisa feita pelo comparador de preços Zoom, com 9 mil entrevistados. De acordo com o levantamento, 95% dos entrevistados planejam aproveitar o evento em 2018 e 62% pretendem antecipar as compras de Natal. 

    O evento chegou ao Brasil em meados de 2010 e passou por diversas fases até atingir um certo amadurecimento. Apesar da importância para o varejo, muitos consumidores ainda preferem ter cautela. De acordo com a pesquisa, 67% das pessoas descartaram utilizar o 13º salário na data. A interpretação do levantamento é de que as pessoas estão mais reticentes quanto ao cenário econômico e político e não querem comprometer o orçamento. 

    Mesmo assim, 57% dos consumidores pretendem gastar mais de R$1000 na Black Friday. Em 2017, esse número era de 52%. Dentre as categorias de produtos mais desejadas pelos entrevistados estão produtos eletrônicos (53%), seguida por eletrodomésticos, smartphones, artigos de informática e itens de casa e decoração, de acordo com a pesquisa. 

    A expectativa é que a data tenha um faturamento maior do que no ano passado. “Ainda estamos trabalhando nos números, mas vai crescer, até porque a Black Friday ganhou muita força e se tornou a data mais importante para o varejo (depois do Natal)”, disse o presidente da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (Abcomm), Maurício Salvador, para a Agência Reuters. De acordo com a Ebit|Nielsen, a Black Friday deste ano deve movimentar 15% a mais do que em 2017. Essa projeção é conservadora, de acordo com Salvador. 

    O Dia das Crianças deve ter alta de 4% no comércio eletrônico, chegando a R$ 2,1 bilhões. O ticket médio, no entanto, deve ter crescimento de apenas 1% ante o ano passado, para R$ 432, de acordo com dados da Ebit|Nielsen.

    Por: Aileen Rosik - Coordenadora de Link Building


    Imprimir