Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    14/09/2018

    ELEIÇÕES 2018| Grandes empresários evitam financiar presidenciáveis

    Nas campanhas deste ano, apenas pessoas físicas podem doar recursos e limitados a 10% dos rendimentos que tiveram no ano passado

    ©Reuters
    Os cem maiores doadores de campanha que não são candidatos a nenhum cargo nestas eleições injetaram até agora R$ 39 milhões em candidaturas por todo o país, e estão fugindo do financiamento a presidenciáveis.

    A maior parte dos recursos foi destinada a candidaturas de deputados e senadores. 

    O valor ainda é uma prévia, já que as doações podem ser registradas até o fim das eleições, mas já contrasta com os bilhões de reais despejados por empresas nas últimas eleições, quando ainda era permitido o financiamento corporativo. 

    Nas campanhas deste ano, apenas pessoas físicas podem doar recursos e limitados a 10% dos rendimentos que tiveram no ano passado. 

    Assim, enquanto em 2014 a Cosan Lubrificantes doou R$ 30 milhões a diferentes candidaturas, neste ano o dono do grupo que controla a empresa, Rubens Ometto, doou R$ 3,6 milhões. O presidente da Cosan, Marcos Lutz, também está na lista dos grandes doadores, com R$ 300 mil.

    Ometto lidera o ranking dos doadores, publicado na quarta-feira (12) pelo Tribunal Superior Eleitoral. 

    O empresário apoia 28 candidatos, entre senadores, deputados e um governador, e também direcionou recursos para os diretórios do MDB nacional e da cidade Jaraguá do Sul, em Santa Catarina. 

    O segundo maior doador é o também empresário Rubens Menin Teixeira de Souza, fundador da MRV Logística, que doou R$ 2,17 milhões para candidaturas de dois senadores, sete deputados federais e três estaduais, além de uma doação direta ao DEM-RJ. 

    Na sequência, aparece Nevaldo Rocha, fundador do grupo que comanda as lojas Riachuelo, que doou mais de R$ 2 milhões para seu neto, Gabriel Kanner, candidato a deputado federal em São Paulo. 

    Outros dois membros da família do ex-presidenciável Flavio Rocha, Elvio e Lisiane, também aparecem na lista dos maiores doadores. 

    No mercado financeiro, o destaque foi para José Carlos Reis de Magalhães, fundador da Tarpon Investimentos, que controla fundos acionistas de empresas como a BRF Foods. Ele doou ao todo R$ 950 mil para campanhas de dez deputados em seis diferentes estados. 

    Até agora apenas três presidenciáveis receberam doações acima de R$ 100 mil de empresários: Marina Silva (Rede), João Amoêdo (Novo) e Alvaro Dias (Podemos). 

    Mesmo assim as doações a Marina e Dias não estão contabilizadas entre os maiores doadores listados no ranking do TSE. Marina, por exemplo, recebeu R$ 100 mil de Carlos Bracher e outros R$ 50 mil de Fernão Bracher, irmão e pai do presidente do Itaú, Cândido Bracher. 

    Fernão Bracher também é doador de Amoêdo. Mas os valores não foram suficientes para que individualmente os Bracher fizessem parte da lista. Dos cem maiores doadores do ranking do TSE, a menor doação foi de R$ 125 mil. 

    Outra doação excluída da lista foi a do empresário Oriovisto Guimaraes, um dos fundadores do grupo Positivo, do Paraná, que colocou mais de R$ 1,7 milhão na campanha de Alvaro Dias. Como o próprio empresário é candidato ao Senado, ele não faz parte deste ranking do TSE. 

    Entre os doadores no final da lista está Anis Chacur Neto, presidente do banco ABC Brasil. Ele doou R$ 125 mil no total, sendo R$ 50 mil para Amoêdo –o presidenciável do Novo é o que mais tem banqueiros entre seus doadores 

    Não faltaram também celebridades à lista. Luciano Huck, que flertou com a ideia de se candidatar à Presidência mas desistiu em fevereiro, aparece no ranking do TSE com uma doação de R$ 235 mil destinada a candidatos a deputado pelo PPS.

    Dez maiores doadores

    1. Rubens Ometto (Cosan)"R$ 3,6 mi

    2. Rubens Menin T. de Souza (MRV)"R$ 2,17 mi

    3. Nevaldo Rocha (Riachuelo)"R$ 2,1 mi

    4. José Salim Mattar Júnior (Localiza)"R$ 1,7 mi

    5. Carlos Jereissati"R$ 1,6 mi

    6. Natasha Sachetti"R$ 1,37 mi

    7. Inácio José Webler (Agroindustrial)"R$ 1 mi

    8. José Carlos Reis de Magalhães Neto (Tarpon)"R$ 950 mil

    9. Élvio Gurgel Rocha (Riachuelo)"R$ 812,5 mil

    10. Jayme Brasil Garfinkel (Porto Seguro)"R$ 745 mil 


    NAOM-Com informações da Folhapress


    Imprimir