Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    21/05/2018

    Para Bolsonaro, é melhor menos direitos trabalhistas que perder emprego

    Presidenciável ministrou palestra sobre a conjuntura política e econômica brasileira na Associação Comercial do Rio

    © Ueslei Marcelino / Reuters
    O pré-candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL) defendeu nesta segunda-feira, 21, a flexibilização das leis trabalhistas como forma de reduzir o desemprego. "Aos poucos a população vai entendendo que é melhor menos direitos e emprego do que todos os direitos e desemprego", disse.

    Ele fez uma palestra sobre a conjuntura política e econômica brasileira na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) e foi aplaudido ao falar da reforma trabalhista.

    Diante de uma plateia de cerca de 300 empresários - que pagaram R$ 180 (associados) e R$ 220 (não associados) para ouvi-lo -, Bolsonaro afirmou que pretende, se eleito, estimular o crescimento da economia por meio de privatizações "com critério" e de um processo de desburocratização que estimule investimentos.

    "Quando eu disse que não entendia de economia, foi por humildade. Quem entende de economia é Dilma Rousseff, formada em economia. Olha a desgraça que deixou o País", ironizou Bolsonaro. "Os ministros da Fazenda e da Economia precisam ser um só, e ter porteira fechada. Tem que desburocratizar, facilitar a vida de quem quer investir. Tem que partir para privatização com critério, não botar tudo para o mercado. Temos que acreditar nesse homem ou nessa mulher que por ventura irá assumir esse megaministério."

    Bolsonaro foi instado a falar sobre assuntos como a intervenção federal na segurança do Rio, a recuperação fiscal do Estado, a necessidade de se estimular o turismo e de se estimular o desenvolvimento da economia brasileira. Outros pré-candidatos vêm sendo convidados.

    O deputado lidera as pesquisas de intenção de voto no cenário sem o ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT), preso e condenado na Operação Lava Jato. É seguido por Marina Silva (Rede) e Ciro Gomes (PDT).

    NAOM


    Imprimir

    RECENTES

    POLÍTICA

    CONCURSOS