Campo Grande (MS),

  • LEIA TAMBÉM

    21/05/2018

    Contra alta da gasolina, Meirelles propõe redução de impostos

    A ação serviria para compensar a alta do petróleo e preservar a Petrobras

    ©Reuters
    O ex-ministro da Fazenda Henrique Meirelles (MDB), que é pré-candidato à Presidência da República, defendeu a redução de impostos que incidem sobre os combustíveis para tentar compensar a recente alta do preço.

    Segundo Meirelles, o aumento no preço da gasolina se deve ao aumento do preço do petróleo internacional e à questão fiscal. A redução de impostos serviria para compensar a alta do petróleo e preservar a Petrobras. 

    "O preço do petróleo internacional não é controlável pelo governo brasileiro. O que nós estamos propondo e que certamente, caso eleitos em outubro temos segurança de que vai acontecer, seria uma diminuição dos impostos sobre o combustível", disse. 

    No mesmo dia em que caminhoneiros protestaram pelo país contra a disparada do combustível, Meirelles defendeu uma reforma tributária.

    "Vamos simplificar a tributação no Brasil e criar um sistema tributário que permita maior produtividade das empresas, geração de emprego de renda."

    Meirelles visitou nesta segunda (21) a sede do MDB mineiro, em Belo Horizonte, onde foi recebido pelo presidente do partido no estado, o vice-governador Antônio Andrade. 

    O ex-ministro evitou comentar o evento, marcado para esta terça (22), de lançamento do programa do MDB chamado "Encontro com o Futuro". Especula-se que o presidente Michel Temer (MDB) aproveite a deixa para desistir oficialmente de concorrer à reeleição e apoiar Meirelles. 

    "Cabe a ele decidir o que ele vai dizer, quando vai dizer, e não a nós", desconversou Meirelles sobre o presidente. 

    Meirelles também rejeitou o título de "candidato do Temer", mas pregou continuidade das reformas iniciadas pelo presidente, incluindo a reforma da Previdência. 

    "Não sou o candidato de uma pessoa ou de outra pessoa, sou o candidato do crescimento do emprego e da renda e da inflação controlada", disse. 

    "Temos certeza de que o próximo governo será um governo do MDB, portanto o Brasil continuará fazendo essas reformas fundamentais que estão já sendo feitas", completou.

    Meirelles, porém, aparece com cerca de 1% nas intenções de votos nas pesquisas eleitorais e o governo Temer tem rejeição recorde. 

    Mesmo diante desse cenário, o ex-ministro vê espaço para crescimento com base em pesquisas qualitativas com eleitores que não o conheciam.

    "Acreditamos sim que uma vez conhecido o nosso projeto e conhecido o nosso histórico, nós teremos condições de vencer a eleição." 

    NAOM-Com informações da Folhapress.


    Imprimir